Pensamentos

Arquivo para a categoria “fé”

Alguém maior que tudo…

Não, eu não vou fazer uma apologia a ele. Nem vou pedir pra rezarem por sua alma, pois eu não creio que vamos para o céu quando morremos, ou que nossa alma fique vagando por aí.

Apenas quero que você pense em algumas coisas. Pensamentos. Como no nome deste blog, lembra?

Eu creio que, ao menos uma vez na vida, você tenha ouvido essa música do video aí em cima. Talvez tenha ouvido e nem sabe que ouviu. O fato é que o disco homônimo, “Thriller”, foi o mais vendido da história, segundo o Guiness. Ele tinha um jeito único de compor, de cantar e de dançar. Não dá para negar que esse homem era especial.

Mas, às vezes parece que todo o sucesso do mundo não vale nada, não é mesmo?

Num dos blogs que sempre estou acompanhando, li algo sobre isso:

Ontem à noite, fiquei sabendo que o ídolo da música pop que marcou uma geração, Michael Jackson, havia morrido de parada cardíaca, aos 50 anos. É difícil conhecer um rapaz da minha geração que não tenha tentado (mesmo que escondido) imitar os passos de dança break do cantor. Jackson fez parte do “espírito” de uma época. Por isso, quando lemos esse tipo de notícia, levamos alguns instantes para assimilar. Mesmo não sendo admirador dele, é como se um pedacinho da gente tivesse morrido junto. Mas isso nos faz lembrar que a vida é assim mesmo: uma sucessão de pontos de luz mais ou menos brilhantes que vão se apagando à medida que o tempo passa. (Michelson Borges – Michael Jackson e a efemeridade da vida)

Mesmo com todo o sucesso que tinha, a vida dele não era só de glórias. Muitos escândalos, e muita tristeza, imagino eu, permeavam a vida de Michael. Desde a infância, em que foi sugado pelo pai, em prol do sucesso do Jackson Five, até a idade adulta, com acusações de pedofilia e um estilo de vida um tanto quanto diferente. Filhos por inseminação artificial, e que viviam escondidos dos holofotes, casamentos estranhos e supostamente de aparência, transformação radical de suas feições (o que pode indicar uma auto-estima sempre baixa)… Enfim, uma pessoa sofrida. Fiquei muito triste ao saber de sua morte, e acima de tudo, penalizada. Ouvia suas músicas, conhecia um pouco de sua trajetória, e a sensação, como disse Michelson, é que parece que um pedacinho da gente se foi…

Tudo isso me faz refletir como é inútil a fama. Quer alguém mais famoso que Michael Jackson? Mas isso de nada valeu. Podemos falar também de riqueza, sucesso… Isso tudo ele conhecia bem. Mas na hora final, tais coisas não fizeram a menor diferença.

Eu sei que tem muita gente que pensa que “crente inventa essa história de ser humilde, de não ter ambição pra se conformar com a sua própria situação”. Mas não é verdade. Eu pelo menos (e conheço muitos outros “crentes” que pensam como eu) creio que podemos (e devemos) sempre crescer na vida. Estudar, trabalhar, almejar coisas boas. Isso é muito bom, e necessário.

Apenas a diferença é uma coisinha bem simples: onde está o nosso coração. Se o seu coração está apenas em pessoas, riquezas, fama, sucesso, você vai ter uma vida aparentemente perfeita, mas interiormente infeliz. Porque, afinal, isso tudo um dia acaba, vai embora. E na hora da morte, essas coisas nada podem fazer por você.

Porém, se você, mesmo já tendo (ou ainda almejando) tais coisas, coloca sua mente, seu coração, toda a sua vida enfim, aos pés do único que pode nos salvar e dar a vida eterna, Jesus, aí sim, sua vida vai fazer todo sentido. E mesmo que você morra, um dia você voltará a viver, e dessa vez será para sempre.

“Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá” (João 11:25)

NEle sim podemos confiar sem medo. NEle podemos depositar nossa esperança. Ele é o único que nunca irá nos decepcionar, não importa se temos muita fama, ou nenhuma, se somos riquíssimos ou paupérrimos. Ele é fiel.

Creia nisso. É real.

Anúncios

Feliz dia dos namorados

467703250_a65a7360b3_oEm Gênesis, ao lermos o relato da criação, percebemos, a cada dia da semana, a expressão da felicidade de Deus através das palavras escritas por Moisés: E viu Deus que era bom.” A frase aparece cinco vezes, no primeiro capítulo do livro. Tudo que Deus fazia era bom.

Mas, eis que em meio à toda perfeição e beleza da criação do Pai, vemos uma mudança. Pela primeira vez, algo não era bom. E o próprio Criador diz isto: Não é bom que o homem esteja só”. No meio das maravilhas edênicas, ouvimos que algo não está bom, não está como Deus queria. O homem está sozinho. Tem toda a magnificente natureza a seu redor, isenta dos efeitos do pecado; tem todos os animais, todas as diferentes famílias, classes, ordens, espécies, em sua perfeita beleza. Mas nada disso o satisfaz. Os animais e a natureza não conversam, não podem compartilhar suas emoções, não expressam sentimentos. E Adão se sente só.

Vejam o que diz a escritora Ellen White:

“Mesmo a comunhão com os anjos não poderia satisfazer seu desejo de simpatia e companhia. Ninguém havia da mesma natureza para amar e ser amado.” (Patriarcas e Profetas, pág. 46)

Deus sabia disso, e tratou logo de resolver a situação. Criou para Adão uma companheira. Observemos alguns pontos interessantes dessa criação:

  1. Deus não criou outro homem, Ele fez uma mulher. Não fez simplesmente um amigo para Adão, mas um ser ao mesmo tempo parecido (era humano) porém diferente (pertencia a outro sexo) dele. Um ser com características físicas e psicológicas distintas, para que ambos se complementassem.
  2. Deus não criou Eva do barro, como fez com Adão, Ele a criou de uma parte do próprio Adão. Fez Eva da costela do homem, mostrando que não devia ser superior a ele, nem inferior, mas igual. Com iguais direitos e deveres, com igual valor perante o Pai Celeste. “Como parte do homem, osso de seus ossos, e carne de sua carne, era ela o seu segundo eu, mostrando isto a íntima união e apego afetivo que deve existir nesta relação. “Porque nunca ninguém aborreceu a sua própria carne; antes a alimenta e sustenta.” Efés. 5:29. “Portanto deixará o varão a seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.” Gên. 2:24.” (Patriarcas e Profetas, pág. 46)

Agora estava tudo completo! Agora, estava tudo como o nosso Senhor queria.

Mas, passaram-se cerca de seis mil anos, e a pergunta é: como estão as coisas hoje? Será que Deus olharia e diria que tudo é “muito bom”? Acho que sabemos a resposta. Tudo foi deturpado. A fidelidade é rara, os relacionamentos são descartáveis, passageiros, a maioria sem amor. Por qualquer razão, ocorre o divórcio. Pessoas do mesmo sexo se relacionam normalmente, exigindo aceitação e direitos, como o casamento. Tudo diferente do ideal divino. Por isso, eu penso: “Hoje, celebramos o “Dia dos Namorados”. Mas será que há o que comemorar? Com tanta falta de amor?”

“”Venerado… seja o matrimônio” (Heb. 13:4); foi esta uma das primeiras dádivas de Deus ao homem, e é uma das duas instituições que, depois da queda, Adão trouxe consigo de além das portas do Paraíso.” (Patriarcas e Profetas, pág. 46)

Sim, há o que se comemorar. Ao pensarmos na dádiva maravilhosa que é o relacionamento a dois, deixado por Deus e preservado mesmo após a entrada do pecado no mundo, ao nos lembrarmos de que mesmo hoje, com toda a maldade que há neste planetinha, ainda podemos encontrar felicidade no casamento, e que este é abençoado pelo Senhor, vemos que há sim o que comemorar.

Portanto, feliz dia dos namorados a você que é casado. Não é porque casamos que devemos deixar de namorar. Muito pelo contrário. Agora sim é que devemos namorar, e ainda mais que antes. Que o seu casamento seja a bênção que Deus sempre quis que fosse. Saiba que “Quando os princípios divinos são reconhecidos e obedecidos nesta relação, o casamento é uma bênção; preserva a pureza e felicidade do gênero humano, provê as necessidades sociais do homem, eleva a natureza física, intelectual e moral.” (Patriarcas e Profetas, pág. 46). Se seu matrimônio ainda não é o que Deus deseja, ore a Ele, peça Sua ajuda, una-se a seu cônjuge num só clamor, e Deus os ouvirá. Ele irá ajudá-los a superar quaisquer obstáculos que estejam enfrentando, se assim for a vontade de vocês.

Feliz dia dos namorados aos divorciados e viúvos. Por motivos que não foram da vontade do Senhor, o casamento de vocês chegou ao fim. Deus sabe o porquê de todas as coisas, e apesar de Ele não querer a infelicidade de nenhum de seus filhos, é isso que acontece neste mundo mau. Mas Ele está aí, bem do ladinho de vocês, abraçando-os e esperando por suas orações. Ele as ouve, e as atenderá conforme Sua santa e boa vontade.

Feliz dia dos namorados aos solteiros. Deus conhece os anseios dos seus corações. Deus sabe o quanto vocês sonham em desfrutar das maravilhas que existem no relacionamento. Ele também sabe o que é melhor para vocês. Ele também sabe o tempo certo para cada coisa acontecer. Não fiquem ansiosos ou preocupados. Ele sabe de tudo. E no tempo certo, após tudo que precisa ser ajustado for ajustado, Ele vai dar o presente que vocês querem. Apenas coloquem, a cada dia, suas vidas nas mãos do Criador.

Finalmente, feliz dia dos namorados aos noivos, e aos namorados! Vocês estão se encaminhando para a realização de um dos maiores sonhos de Deus para suas vidas. Estejam certos de que tudo que fazem seja da vontade dEle. Orem a cada dia pedindo orientação. Ele deve ser o Mestre em cada escolha que fizerem. Se estiverem em dúvida de algo, peçam Sua guia. Se não, continuem caminhando, rumo à união eterna de suas vidas à daqueles que amam.

Que esse dia seja de muita reflexão, mas também de muito amor, alegria e paz a todos! Feliz dia dos namorados!

Sorte do Orkut e Bíblia: semelhanças?

bible.previewHá alguns meses, tenho prestado atenção e tomado nota das frase denominadas: “Sorte de Hoje” do Orkut. Um recurso, no mínimo bem humorado, que intenta lançar pequenas pérolas de sabedoria para a vida diária dos usuários. Pode parecer um recurso sem pretensões, mas que tem se popularizado com o tempo por realmente apresentar algumas frases de extrema sabedoria para a vida prática.

No entanto, comecei a reparar que muitas dessas frases nada mais são do que ecos do pensamento bíblico. É isso mesmo! Da Bíblia. Por mais engraçado, ridículo ou inesperado que possa parecer a maioria das frases que aparecerão para mim tinham algum eco na Bíblia. Estou com isso dizendo que os autores do Orkut são cristãos, ou mesmo intentam pregar o evangelho pelo Orkut ou estão fazendo uso de sabedoria Bíblica propositadamente??? Não! Tenho certeza, embora essa seja apenas minha opinião, que nem mesmo eles estão a par da conexão de suas frases feitas com o que a Bíblia ensina.

Ao longo de alguns meses, sempre que acesso o orkut, reparo na frase, e me lembro de aproveitar muitas delas se não a maioria. Assim, fui guardando cada uma das frases que encontrei e aqui está uma breve compilação do que elas dizem, em comparação com o que a Bíblia diz.

Sorte de hoje: Uma das maiores vitórias que se pode conquistar é derrotar um inimigo pela gentileza. (Rom 12:21; 1 Tess 5:15; Pro 15:1; Pro 29:11; Mat 5:39 – 42)

Sorte de hoje: A melhor maneira de se encontrar é se perder em benefício de outros! (Luc 9:24)

Sorte de hoje: Todas as gerações dão risada da moda antiga, mas seguem religiosamente a moda atual. (Ec 1:9)

Sorte de hoje: Os tolos e os fanáticos estão sempre seguros de si, mas os sábios são cheios de dúvidas. (1 Cor 8:2)

Sorte de hoje: Os fracos nunca perdoam. O perdão é uma virtude dos fortes. (Mat 18:23-35; Luc 23:34)

Sorte de hoje: O amor conquista tudo. (Jo 3:16; I Cor 13:8,13)

Sorte de hoje: Se você não quer que ninguém saiba, não faça. (Pro 11:3; Luc 8:17; 12:2; Sal 90:8)

Sorte de hoje: A paciência é a arte da esperança. (Rom 8:24-25)

Sorte de hoje: Não deixe que a raiva tome o lugar da compreensão. (Pro 14:17; 29:11; Ec 7:9)

Sorte de hoje: Nossa força cresce de nossa fraqueza. (2 Cor 12:9-10)

Sorte de hoje: Trate os defeitos dos outros com a mesma consideração que lida com os seus. (Mat 7:34; Lev 18:19; Mat 22:39)

Sorte de hoje: Viver amanhã é muito tarde. Viva hoje. (Mat 6:34)

Verdades como essas acima expostas só puderam ser compreendidas e assimiladas (e muito mal em alguns casos ainda) depois de anos de desenvolvimento do pensamento humano. Mas já estavam lá na Bíblia. Ainda que alguém deseje ilegítimar a sua autoria divina, ainda assim fica provado que a Bíblia possuí conteúdo relevante aos tempos modernos, verdades transcendentes e práticas para a vida daqueles que desejam saber como viver. Daqueles que gostariam de ler um “manual de instruções” da vida prática do ser humano. Muito antes de Nietzche, Marx, Choppenhauer, Kant, Sócrates e outros que tanto criticam quanto aludem a idéias bíblicas, a verdade para o tempo moderno, para como devemos viver estava lá. Disponível.

Me impressiona notar que essas verdades estão disponíveis a todos pelo título de “Sorte de Hoje” e que ainda assim fazem sucesso e há muitas pessoas que não só prestam atenção como também estão aprendendo, realmente, alguma coisa com elas. Mas se fosse “Mensagem da Bíblia” muitos ainda torceriam o nariz, se é que não ignorariam. Mas pelo formato secular, em um veículo secular, e claro originando-se em mentes seculares que nada tem a ver com a Bíblia, se tornam facilmente populares. Eu gostei muito disso. É a sabedoria popular e moderna mostrando o que a bíblia tem a oferecer. Talvez essa coincidência tenha sido um tiro pela culatra do pensamento secular… Mas quem liga?

Me importa sim, que a Bíblia tem muito a oferecer. E mesmo os que não crêem em sua divina inspiração, tem razões de sobra para no mínimo procurar com seus próprios olhos entender esse livro estranho. Pretensioso e simples, amado e odiado, velho e atual.

(Do blog Contexto Moderno)

Felicidade real

solidaoEu fiquei pensando hoje: o que faz as pessoas realmente felizes? Dinheiro? Ser conhecido? Ter coisas? Um amor?

Eu sei que esse tema é mais que “batido”. Todo mundo sempre fala nisso, e parece que ninguém chega a um denominador comum. Mas eu quis comentar sobre o assunto aqui no blog porque tenho visto pessoas que tem de tudo pra serem felizes mas, ao que parece, não são…

Digo “ao que parece” porque pode ser que elas sejam, sim, felizes, e eu é que tenha tido a impressão errada. Isso aconteceu comigo recentemente. Me disseram uma coisa e entendi outra. MAS! Tudo indica que, ao menos em parte, desta vez eu estou certa.

Sabe aquela da “pobre menina rica”? Me lembra uma música da Britney Spears (sim, eu assistia MTV no final dos anos 90 e início dos 2000, e, mesmo que não quisesse, era bombardeada com as músicas dela, que mesmo que você não goste, tem que admitir que tem uma gingadinha legal hauahauhauhaua). Olha só a letra da música (traduzida):

Esta é uma história de uma garota chamada Sortuda…

No início da manhã, ela acorda
Bate, bate, bate na porta
É hora para a maquiagem, sorriso perfeito
É você que todos estão esperando
E lá vai…
“Ela não é amável, esta garota de Hollywood?”
E eles dizem…

Ela é tão sortuda, ela é uma estrela
Mas ela chora, chora, chora
No seu coração solitário, pensando
Se não há nada faltando em minha vida
Então por que estas lágrimas caem a noite?

Perdida em uma imagem, em um sonho
Mas não há ninguém lá para acordá-la
E o mundo está girando,
E ela continua vencendo,
Mas diga-me o que acontece quando isso pára?
E lá vai…
“Ela não é amável, esta garota de Hollywood?”
E eles dizem…

Ela é tão sortuda, ela é uma estrela
Mas ela chora, chora, chora
No seu coração solitário, pensando
Se não há nada faltando em minha vida
Então por que estas lágrimas caem a noite?

Você pode até achar engraçadinho ou bobo, uma musiquinha tonta pra adolescentes, mas existem, sim, pessoas que vivem dessa forma. E não são só adolescentes não. São pessoas pra quem olhamos, e pensamos: “esse (ou essa) aí tem tudo, não deve passar por problema nenhum!”, quando na verdade estamos olhando para pessoas infelizes.

Mas o que faz alguém feliz? Acho que poderia falar do que não faz a gente feliz:

  1. Carreira/cultura: por mais que você seja o melhor na sua área, tenha doutorado, Ph.D. e sei lá mais o quê, isso não garante sua felicidade. Existem pessoas que têm tudo isso e não são felizes.
  2. Dinheiro: parece que quanto mais se tem, mais se quer. Mas na hora da felicidade, não ajuda muito! Compram-se muitas coisas com ele, é bem verdade, mas não traz felicidade…
  3. Casamento: outra coisa que um monte de gente acha egoísticamente que serve para “me fazer feliz”. Não poderiam estar mais enganadas. Casamento é pra fazer o outro feliz, e você ser feliz é a consequência, mas ainda assim há pessoas casadas e infelizes.
  4. Paixonites: muita gente pula de um relacionamento pra outro, achando que assim vão encontrar felicidade. Mas isso também, por si só, não traz felicidade.
  5. Filhos: tem gente que é infeliz por causa dos filhos, isso sim!
  6. Posses: seus objetos maravilhosos, seus “brinquedinhos” de gente grande, seus iPods, celulares, Wiis, notebooks e afins não vão te consolar nos momentos de tristeza.

Quando mais reflito nisso, mais acredito que de nada valem viagens, conhecer mundos e fundos, ter toda a cultura do mundo, ter grana, ter isso, ter aquilo, ser cerceado exagerada e erroneamente pelos pais para não “se meter em encrenca” ou para não namorar pessoas “inadequadas para o seu nível” (os pais “riquinhos” adoram essas frases) e não ser feliz. Antes ser pobre, não ter saído do lugar onde nasceu, ter pais sensatos e ser feliz realmente.

Eu não estou dizendo que não quero viajar, ter cultura, ter uma boa condição financeira. Isso seria despeito e não poderia estar mais longe da verdade. O que estou dizendo é que de nada adianta ter todas essas coisas e ser infeliz. Mas, tristemente, é assim que somos ensinados. “Você precisa ter cultura; sua carreira tem que ser o centro de sua vida; não namore rapazes “inferiores” a você.” Porém, isso não garante a felicidade a ninguém.

O que garante a felicidade, eu creio assim, é ter Deus na sua vida. Pergunte a qualquer um que acredita em Sua existência! Podem vir maus momentos, e você vai ficar triste. Ficar triste é algo inerente à raça humana nesse mundo em que vivemos e eu não estou dizendo que quem é feliz está sempre alegre. Podem — e vão — vir momentos de tristeza. Mas apesar disso, ou mesmo não tendo tudo o que se quer, mesmo vindo os fracassos, mesmo você não conseguindo alcançar tudo o que sonhou, você é feliz, porque tem Alguém que está ao seu lado em todos os momentos, te dando o consolo e carinho de que tanto necessitam. Só Ele traz a real felicidade. Só Ele.

Os 3 conselhos

3Um casal de jovens recém-casados era muito pobre e vivia de favores num sítio do interior. Um dia o marido fez a seguinte proposta para a esposa:

“Querida eu vou sair de casa, vou viajar para bem longe, arrumar um emprego e trabalhar até ter condições para voltar e dar-te uma vida mais digna e confortável. Não sei quanto tempo vou ficar longe, só peço uma coisa, que você me espere e enquanto eu estiver fora, seja FIEL a mim, pois eu serei fiel a você”.

Assim sendo, o jovem saiu. Andou muitos dias a pé, até que encontrou um fazendeiro que estava precisando de alguém para ajudá-lo em sua fazenda.

O jovem chegou e ofereceu-se para trabalhar, no que foi aceito. Pediu para fazer um pacto com o patrão, o que também foi aceito.

O pacto foi o seguinte:

“Me deixe trabalhar pelo tempo que eu quiser e quando eu achar que devo ir, o senhor me dispensa das minhas obrigações. EU NÃO QUERO RECEBER O MEU SALÁRIO. Peço que o senhor o coloque na poupança até o dia em que eu for embora. No dia em que eu sair o senhor me dá o dinheiro e eu sigo o meu caminho”.

Tudo combinado. Aquele jovem trabalhou DURANTE VINTE ANOS, sem férias e sem descanso. Depois de vinte anos chegou para o patrão e disse:

“Patrão, eu quero o meu dinheiro, pois estou voltando para a minha casa”.

O patrão então lhe respondeu:

“Tudo bem, afinal, fizemos um pacto e vou cumpri-lo, só que antes quero lhe fazer uma proposta, tudo bem? Eu lhe dou o seu dinheiro e você vai embora, ou LHE DOU TRÊS CONSELHOS e não lhe dou o dinheiro e você vai embora. Se eu lhe der o dinheiro eu não lhe dou os conselhos, se eu lhe der os conselhos, eu não lhe dou o dinheiro. Vá para o seu quarto, pense e depois me dê a resposta”.

Ele pensou durante dois dias, procurou o patrão e disse-lhe:

“QUERO OS TRÊS CONSELHOS”.

O patrão novamente frisou:

“Se lhe der os conselhos, não lhe dou o dinheiro”.

E o empregado respondeu:

“Quero os conselhos”.

O patrão então lhe falou:

1. NUNCA TOME ATALHOS EM SUA VIDA. Caminhos mais curtos e desconhecidos podem custar a sua vida.
2. NUNCA SEJA CURIOSO PARA AQUILO QUE É MAL, pois a curiosidade pro mal pode ser mortal.
3. NUNCA TOME DECISÕES EM MOMENTOS DE ÓDIO OU DE DOR, pois você pode se arrepender e ser tarde demais.

Após dar os conselhos, o patrão disse ao rapaz, que já não era tão jovem assim:

“AQUI VOCÊ TEM TRÊS PÃES, estes dois são para você comer durante a viagem e este terceiro é para comer com sua esposa quando chegar a sua casa”.

O homem então, seguiu seu caminho de volta, depois de vinte anos longe de casa e da esposa que ele tanto amava.

Após o primeiro dia de viagem, encontrou um andarilho que o cumprimentou e lhe perguntou:

“Pra onde você vai?” – Ele respondeu:

“Vou para um lugar muito distante que fica a mais de vinte dias de caminhada por essa estrada”.

O andarilho disse-lhe então:

“Rapaz, este caminho é muito longo, eu conheço um atalho que é dez, e você chega em poucos dias”.

O rapaz contente, começou a seguir pelo atalho, quando lembrou-se do primeiro conselho, então voltou e seguiu o caminho normal.

Dias depois soube que o atalho levava a uma emboscada.

Depois de alguns dias de viagem, cansado ao extremo, achou pensão à beira da estrada, onde pode hospedar-se.

Pagou a diária e após tomar um banho deitou-se para dormir.

De madrugada acordou assustado com um grito estarrecedor. Levantou-se de um salto só e dirigiu-se à porta para ir até o local do grito.

Quando estava abrindo a porta, lembrou-se do segundo conselho. Voltou, deitou-se e dormiu.

Ao amanhecer, após tomar café, o dono da hospedagem lhe perguntou se ele não havia ouvido um grito e ele disse que tinha ouvido.

O hospedeiro: e você não ficou curioso?

Ele disse que não.

No que o hospedeiro respondeu: VOCÊ É O PRIMEIRO HÓSPEDE A SAIR DAQUI VIVO, pois meu filho tem crises de loucura, grita durante a noite e quando o hóspede sai, mata-o e enterra-o no quintal.

O rapaz prosseguiu na sua longa jornada, ansioso por chegar a sua casa.

Depois de muitos dias e noites de caminhada…

Já ao entardecer, viu entre as árvores a fumaça de sua casinha, andou e logo viu entre os arbustos a silhueta de sua esposa. Estava anoitecendo, mas ele pode ver que ela não estava só. Andou mais um pouco e viu que ela tinha entre as pernas, um homem a quem estava acariciando os cabelos.

Quando viu aquela cena, seu coração se encheu de ódio e amargura e decidiu-se a correr de encontro aos dois e a matá-los sem piedade.

Respirou fundo, apressou os passos, quando lembrou-se do terceiro conselho.

Então parou, refletiu e decidiu dormir aquela noite ali mesmo e no dia seguinte tomar uma decisão. Ao amanhecer, já com a cabeça fria, ele disse:

“NÃO VOU MATAR MINHA ESPOSA E NEM O SEU AMANTE. Vou voltar para o meu patrão e pedir que ele me aceite de volta.

Só que antes, quero dizer a minha esposa que eu sempre FUI FIEL A ELA”.

Dirigiu-se à porta da casa e bateu. Quando a esposa abre a porta e o reconhece, se atira em seu pescoço e o abraça afetuosamente. Ele tenta afastá-la, mas não consegue. Então com as lágrimas nos olhos lhe diz:

“Eu fui fiel a você e você me traiu… Ela espantada lhe responde:

“Como? eu nunca lhe trai, esperei durante esses vintes anos.

Ele então lhe perguntou:

“E aquele homem que você estava acariciando ontem ao entardecer? E ela lhe disse:

“AQUELE HOMEM É NOSSO FILHO. Quando você foi embora, descobri que estava grávida. Hoje ele está com vinte anos de idade”.

Então o marido entrou, conheceu, abraçou o filho e contou-lhes toda a sua história, enquanto a esposa preparava o café.

Sentaram-se para tomar café e comer juntos o último pão.

APÓS A ORAÇÃO DE AGRADECIMENTO, COM LÁGRIMAS DE EMOÇÃO, ele parte o pão e ao abri-lo encontra todo o seu dinheiro, o pagamento por seus vinte anos de dedicação.

Muitas vezes achamos que o atalho “queima etapas” e nos faz chegar mais rápido, o que nem sempre é verdade…

Muitas vezes somos curiosos, queremos saber de coisas que nem ao menos nos dizem respeito e que nada de bom nos acrescentará…

Outras vezes, agimos por impulso, na hora da raiva, e fatalmente nos arrependemos depois…

Espero que você, assim como eu, não se esqueça desses três conselhos e que, principalmente, não se esqueça de CONFIAR em DEUS (mesmo que a vida muitas vezes já tenha te dado motivos para a desconfiança).

(Como publicado no blog O Senhor Logo Vem)

A que você dá prioridade?

mulherpc2Andei pensando em escrever sobre prioridades. Bom, pra começar, nada melhor que a definição, certo? Pois bem, o dicionário Michaelis online diz o seguinte:

prioridade
pri.o.ri.da.de
sf (lat med prioritate)

1 Qualidade ou estado de primeiro; antecedência no tempo. 2 Precedência no tempo ou no lugar; primazia, preferência. 3 Direito de falar primeiro ou de ser atendido em primeiro lugar. 4 Preferência de fabricação, fornecimento, transporte etc. decretada para produtos ou materiais escassos em tempos de emergência. 5 Inform Importância de um dispositivo ou rotina de software, num sistema de computador.

Hoje eu quero falar dos ítens 1 e 2. Eles é que têm tudo a ver com o que estava pensando em conversar aqui. Qualidade de primeiro, precedência no tempo ou lugar, primazia, preferência. Não importa como você chame, todos nós temos prioridades…

Isso é bom. Pra que a gente tenha uma vida organizada, temos que ter prioridades. É interessante ver como elas mudam ao longo do tempo, e como as que se mantêm mudam de posição várias vezes.

Na infância, por exemplo: quais são as nossas prioridades além de brincar e ir pra escola? Ô tempo bom esse! Depois, vem a adolescência, e nossa vida parece que dá uma cambalhota, mas as prioridades meio que continuam parecidas. A gente só tem que ir pra escola, se preparar para o vestibular, alguns já começam a trabalhar e surgem as primeiras paixonites.

Aí a gente se torna um “jovem adulto”. E tem a faculdade, os namoros mais sérios, estágios e/ou trabalhos. Muitos já têm que lidar com a responsabilidade de cuidar de uma casa, pagarem contas. Depois alguns noivam, casam, têm filhos, e aí você tem pelo menos duas pessoas que precisam urgentemente de sua atenção a cada momento…

A tendência, à medida em que a gente “cresce”, é que as responsabilidades aumentem e as prioridades mudem. O que era importante há dez anos hoje não é mais, ou não é tanto quanto antes… Os anos vão passando e a vida vai se transformando de uma forma tal que as prioridades têm que se reciclar também.

E é interessante como sempre temos mais de uma prioridade. Isso é bom. Acredito que pessoas que dizem coisas do tipo “minha vida é o meu trabalho” ou “vivo para os meus filhos” perderam o foco. Precisam entender que a vida não se resume a uma coisa só. Muitas são as coisas a que precisamos devotar nossa atenção. Falando de mim, creio que minhas prioridades, no momento, são: trabalho, esposo, atividades religiosas, família e amigos, e, claro, poupar para o futuro (além de ter sempre que pagar as contas em dia rsrs), mas não necessariamente nessa ordem. A ordem das prioridades é coisa séria! E aqui quero abrir um parêntese.

Segredo só pra vocês: o trabalho não é minha prioridade número um. Já perdi a conta de quantos chegam pra mim e perguntam: “qual a sua especialidade?” (pelo fato de eu ser médica). Eu não levo a mal, as pessoas gostam mesmo de saber dessas coisas e se preocupam com isso. É bom. Mas, por agora, não tenho especialidade. Daqui a um mês completo dois anos de formada. Mas ainda não me especializei. Porém, isso não se deve ao fato de que não sei o que quero. E sim que, agora, as prioridades são outras.

Meu esposo está fazendo sua segunda faculdade. E, onde estamos, é um pouco (pra não dizer muito) complicado fazer uma residência (especialização médica). Por isso resolvemos que, após o fim do seu curso, ele é que vai dar uma “paradinha” na sua progressão acadêmica para que eu tenha tempo de me especializar. Simples assim. Sempre fomos desse jeito. Descobrimos o que queremos, fazemos os planos, nos combinamos e vamos atrás disso.

E eu não me importo, porque, como falei, trabalho não é minha prioridade número um. Não me entendam mal. Eu dou, sim, valor ao trabalho. Acho que, antes de casar, a gente tem é que se preocupar com faculdade e arranjar um emprego. Amor não enche barriga, já diziam os antigos, e ninguém quer casar pra morar embaixo da ponte. Antes de casarem, o ideal é que os dois estejam formados e pelo menos um esteja trabalhando. Fato.

Também acho muito importante uma pós-graduação (tanto que quero fazer residência!). Apesar de não sentir o desejo de seguir estudando depois disso, dou o maior apoio a quem quer fazer mestrado, doutorado e todos os ados possíveis (é o caso do meu esposo). Mas creio que isso pode vir após o casamento. Prioridades de novo, hehehe…

Por isso, não me importo se perguntarem quando vou fazer minha residência, mas, a quem interessar possa, não será agora, e, mesmo quando estiver fazendo, isso não será prioridade número um. Eu não vejo porque o trabalho deva ser prioridade número um na minha vida. Esposo, família, amigos, tudo isso vem antes da carreira, embora esta não deixe de ter sua (grande) importância. Fecha parêntese.

Bem, mas voltando à questão das prioridades, muito bem: suas prioridades são, imaginemos, filhos, cônjuge, carreira, lazer (viagens, passeios de fim-de-semana, etc.), economias… Ótimo. Isso faz com que você tenha uma vida estável, organizada, prática. Mas é você feliz?

O que tenho observado é que, a despeito de toda organização, praticidade e estabilidade, se faltar só uma coisinha na sua lista de prioridades, você não vai ser verdadeiramente feliz. Pode ter uma boa vida, confortável, tranquila. Não obstante, não terá felicidade, se Deus não estiver presente.

Quanto tempo você tem dedicado a Ele na sua vida? A conhecê-lO, conversar com Ele, aprender dEle? Os meios para isso são acessíveis a todos. Há inúmeros bons livros, que você encontra em qualquer livraria ou boa biblioteca que nos falam sobre Deus e Seu amor a todos nós. A Bíblia está aí a todos quantos queiram, podendo ser até encontrada online (no meu blogroll há dois links), e também em todas as livrarias. E conversar com Ele, bem, isso você pode fazer onde quer que esteja, com as palavras que quiser, pois Ele não exige frases decoradas ou palavras difíceis, mas apenas deseja ouvir sua voz falando do fundo do coração.

Conhecer a Deus não é difícil, portanto. Mas faz toda a diferença. Tenha a Ele também na sua lista de prioridades. Deixe-O ser o que Ele realmente diz que é: o primeiro e o último, o alfa e o ômega. Que seja o primeiro com quem você conversa ao acordar, o último com quem mantém contato antes de dormir. Sua vida será mais feliz, eu garanto. Pode ter problemas, dificuldades, mas eles serão enfrentados com muito mais determinação e alegria, pois o Senhor da vida está ao Seu lado. Dê uma chance a Ele, e seja, verdadeiramente, feliz.

Contradição

img_poster_principe_caspianHoje eu assisti com meu esposo ao filme “Príncipe Caspian” (recomendo totalmente!), o segundo da série “As crônicas de Nárnia”. Já havia visto o primeiro (“O Leão, a feiticeira e o guarda-roupa” – li o livro também), e gosto muito do C.S. Lewis.

Mas queria falar mesmo sobre a lição que aprendi vendo esse filme. Há uma cena em que o professor amigo do príncipe Caspian conversa com ele e diz que ele poderá vir a ser a maior contradição daquele lugar: um telmarino (povo inimigo dos narnianos) libertando e se tornando rei de Nárnia.

Eu sou uma contradição também. Eu sou uma gentia (se é que existe o feminino de gentio), ou seja, uma não-judia, seguidora do Rei dos Judeus. Para quem não sabe, gentio é como os judeus chamam os não-judeus, e na época de Cristo eles (os gentios) eram super odiados, tanto que quando se inicia o cristianismo, é um pouco difícil, no começo, a convivência dos judeus convertidos ao cristianismo com os também convertidos gentios.

Um gentio era a “pior raça” para um judeu. Os judeus eram bastante conhecedores da palavra de Deus, e sabiam que a salvação viria de dentro daquele povo (e achavam que seria exclusiva para eles). Então, nasceu Jesus. Judeu. Mas o que a maioria dos seus irmãos fez com Ele? Rejeitaram-no. Muitos O aceitaram sim, é verdade. Mas muitos O desprezaram, e aprovaram Sua crucifixão. E então, tempos depois de sua morte e ressurreição, quando Suas verdades começaram a ser espalhadas pelo mundo, os gentios tomaram conhecimento dEle e aceitaram-no em suas vidas (como também alguns judeus, claro, mas o interessante é que muitos que aceitaram a Cristo não eram judeus…).

Logo os gentios! Mas a salvação não veio dos judeus? Sim, mas ela não era só para eles. Pois, sob a cruz onde Cristo morreu, “não pode haver judeu nem grego [ou gentio!]; nem escravo nem liberto; nem homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus.” (Gálatas 3:28).

Sou uma contradição! Sou uma gentia que segue o Rei dos judeus! Mas na verdade, nada disso importa… Porque o que importa é que Jesus me ama, não importa de onde venho, se sou mulher ou homem, se sou rica ou pobre. Ele morreu por todo mundo, e se só houvesse você no planeta inteiro, Ele também teria vindo para morrer só por você.

Por isso, fico mais que feliz em ser uma contradição. Porque, sendo essa contradição, também sou alvo desse amor incomparável…

——————————

Não tenho nada contra os judeus ou qualquer povo/raça/crença. Apenas estou explicando o porquê de certas coisas. Agradeço a compreensão de todos. E Lídia, vou postar o selo, me aguarde, hehehe…

Bom post (em outro blog!) sobre o filme aqui.

Absurdo

tristezapngAcho que todo mundo ficou sabendo do que aconteceu em Recife, da menina de 9 anos que foi estuprada pelo padastro e ficou grávida de gêmeos. Caso você ainda não saiba o que aconteceu, aqui está um link do G1 pra que possa entender melhor o assunto.

Acabei de assistir uma reportagem, no Domingo Espetacular da Record, em que foi falado sobre o assunto mais uma vez. Entrevistaram o arcebispo Dom José Cardoso Sobrinho, que simplesmente excomungou  a mãe da menina, por permitir o aborto, e a equipe médica, por fazê-lo.

Eu, como mulher, como médica e como cristã, mais uma vez, não poderia deixar de comentar o assunto. Causou-me muita revolta ter que ver e ouvir o arcebispo dizer que não se pode matar um inocente em prol da vida de outra pessoa. Isso ele falou em relação aos fetos. Eles seriam os inocentes que foram mortos para salvar a vida de outra pessoa (a menina).

Mas eu me pergunto: e a criança de 9 anos, estuprada, sim estuprada, pelo próprio padastro, não é inocente também? Por que não se pensou nela? Ela é inocente, foi abusada fisicamente, foi humilhada, e podia perder a vida caso essa gravidez fosse levada adiante, pois não teria estrutura física para ir até o fim com ela. Como bem foi falado por um dos médicos que realizou o aborto, a menina está incluída nas duas situações em que as leis brasileiras permitem o aborto: estupro e risco de morte para a mãe. Por que esses padres não pensaram na menina? Ela sim tem uma vida, que poderia perder se levasse essa gravidez a termo. Ela sim seria uma inocente que perderia a vida por causa de dois fetos, que ainda nem sistema nervoso formado deviam ter. Por que não pensaram em Jesus, um inocente, que morreu para salvar a vida de outras pessoas?

Outro absurdo: o padrasto não foi excomungado, e sabem por quê? Porque, segundo o arcebispo (e se preparem porque essa frase é de causar revolta…), aborto é pior que estupro! Pode uma coisa dessas? Fiquei com vontade de quebrar a tv quando ouvi, fiquei revoltada… Meu esposo, que estava em outro cômodo da casa, mas ouviu a reportagem, também não entendeu nada, e achou aquilo tudo o cúmulo. Ele que me acalmou, porque minha vontade era ir em Recife e dar uns tabefes na cara de tonto desse arcebispo! Mas meu esposo me conteve e sugeriu que eu esmurrasse o sofá, pra liberar a raiva…

Meu Deus, em que mundo estamos!!! Como pode alguém dizer uma coisa dessa! Aborto é mais errado que estupro? Talvez ele diga isso porque não tem filhas ou esposa, mas queria ver se ele soubesse que a mãe dele foi estuprada. Ou melhor ainda, se ele fosse mulher e sofresse um estupro! Acho que aí ele ia mudar de pensamento…

Por que essas pessoas que se dizem cristãs fazem coisas desse tipo? Que amor é esse? Certamente não é o mesmo amor demonstrado por Cristo… Perdoem-me os católicos que leem esse texto, mas eu agradeço a Deus por não ser mais uma de vocês. Já fui, quando fui batizada (o que aconteceu sem que eu soubesse o que era, quando tinha apenas dois anos de idade), mas agora faço parte da Igreja Adventista do 7º Dia, em que me batizei com a idade de 22 anos, não por obrigação, mas porque EU quis. Uma igreja em que a gente tem o direito de pensar, de usar camisinha, anticoncepcional, em que se explica que o aborto não é a melhor saída pra tudo, mas que pode ser uma alternativa em casos de risco pra mãe, má-formação fetal, estupro, entre outros, ficando a cargo da mulher (e não da igreja) decidir o que deve ser feito.

E mesmo que eu não fosse dessa igreja, eu pensaria dessa forma. Não tenho medo de dizer que sou, sim, a favor do aborto em certas situações. Não tenho medo de dizer que, se um pastor da minha igreja tivesse a atitude desse arcebispo (o que seria muito difícil, já que a posição da minha igreja é bem outra…), eu não mudaria de opinião. Não estou pregando a revolta contra as igrejas, de forma alguma, mas sim a revolta contra pessoas, que acham que sabem o que Deus pensa, ou que conhecem as leis de Deus, quando não sabem coisíssima nenhuma, e acabam por interferir, manobrar e prejudicar a vida dos outros.

Imagino que essa mãe de Recife possa ter ficado muito triste em ser excomungada da igreja que ela talvez ame, por um pensamento maluco de um arcebispo. Imagino mais revolta ainda ao ela saber que o padastro não foi excomungado porque “aborto é pior que estupro”. Mas agradeço ao meu bom Deus, esse sim, o Justo, porque Ele não é assim. Ele nos ama. Ele verdadeiramente nos ama. E enviou Seu filho Jesus ao mundo, não para nos condenar, mas para nos salvar. Se eu pudesse falar qualquer coisa a essa mulher, que, como se  não bastasse o sofrimento por ver a filha assim, ainda foi excomungada de sua igreja, eu diria: Deus a ama, e Ele, com toda a certeza, não irá condená-la pela sábia decisão que tomou.

Sem mais…

————————

Vejam os links abaixo e tirem suas próprias conclusões:

Igreja Católica volta a falar sobre aborto de menina

Equipe médica excomungada diz que não está arrependida

Bispos acreditam que polêmica sobre excomunhão poderia ter sido evitada

Viagem ao Céu

andre-le-blanc-viagem-ao-ceuPois é, visual novo. Tem que ser né? hehehe

Gente, estou com tanta coisa pra escrever que nem sei por onde começar 😦

Mas acho que vou iniciar falando de algo que aconteceu recentemente comigo.

Estou falando de uma viagem que fiz recentemente com meu esposo e meus pais…

Viram o título do post? Pois é. Ele é uma referência a um livro de Monteiro Lobato (autor que amo desde criança), em que os famosos personagens do mais famoso ainda “Sítio do Picapau Amarelo” empreendem — literalmente — uma viagem ao céu. Segundo a Wikipedia,

“O Visconde de Sabugosa tinha morrido afogado e Emília resolveu ressuscitá-lo. Ele reapareceu, mas transformado num sábio inglês, o “Dr. Livingstone”. Na verdade, o Visconde ficou sendo as duas coisas: ele próprio, e o “Dr. Livingstone”. Acompanhados do novo Visconde, Pedrinho, Narizinho e Emília, e levando com eles a Tia Nastácia e o burro falante Conselheiro, resolveram por em prática uma aventura inimaginável, uma viagem ao céu!”

Pois é. Eu nunca li esse livro dele [ainda!], mas o título me pareceu bem sugestivo para o que quero compartilhar com vocês hoje. Através dessa viagem que fiz, pude conhecer melhor mais um pedacinho desse imenso estado em que moro. E é simplesmente lindo o lugar! Vegetação maravilhosa, praias mais ainda, calmaria, ausência de problemas e dificuldades… Tudo era só diversão, enquanto estávamos lá.

Mas, no fim da viagem, meu esposo gripou. Quando chegamos em casa, foi a minha vez. E a nossa viagem ao “céu” também não durou eternamente. Quinta-feira, depois do carnaval, lá tava eu na lida de novo…

Pois é amigos. Enquanto estivermos aqui nesse planetinha tão pequeno, imerso na Via Láctea, poderemos ter muitos bons momentos. Momentos alegres, divertidos e tão maravilhosos que vai parecer, à semelhança de Pedrinho, Narizinho e Emília, que teremos feito uma viagem ao céu, a um pequeno “paraíso” aqui na Terra. Mas tais momentos não durarão pra sempre. Eles sempre vão acabar. E depois a gente vai ter que voltar ao trabalho duro, ou ao estudo estafante, ou “à realidade”, como costumamos dizer.

Mas o que essa viagem me fez lembrar, é que um dia teremos, sim, uma verdadeira Viagem ao Céu. Iremos ao verdadeiro Paraíso, que Deus, em Sua misericórdia, tem preparado pra nós.

É isso que Jesus fala na Bíblia, no livro de João, capítulo 14. Vamos ver?

Jesus  disse: – Não fiquem aflitos. Creiam em Deus  e creiam também em mim.
Na casa do meu Pai há muitos quartos, e eu vou preparar um lugar para vocês. Se não fosse assim, eu já lhes teria dito.
E, depois que eu for e preparar um lugar para vocês, voltarei e os levarei comigo para que onde eu estiver vocês estejam também.
E vocês conhecem o caminho para o lugar aonde eu vou.

Interessante essa última frase de Jesus. Ele havia dito, em outro lugar: “Eu sou o Caminho, a verdade e a vida.” Ou seja, Ele mesmo é o caminho pra chegar a esse lugar onde Ele está agora, e para onde quer nos levar. Vai ser uma viagem maravilhosa, para o melhor lugar do mundo, para o verdadeiro Céu, o verdadeiro Paraíso, quando Jesus voltar a esse mundo para nos buscar. Sim, porque Ele prometeu isso, como acabamos de ler. Já pensaram? Nada de doenças, cansaço, fadigas, maldade ou morte. Nada vai atrapalhar essa viagem, como aconteceu com a minha, e ela não vai ter que acabar para voltarmos à realidade, porque ela mesma será a nossa realidade, feliz realidade!

E para isso, veja que simples, você tem apenas que aceitá-lO, como o verdadeiro Salvador e Redentor da humanidade, e Senhor da sua vida… Pois Ele é o verdadeiro caminho para a verdadeira e eterna felicidade… Para a verdadeira Viagem ao Céu…

A Darwin o que é de Deus – Douglas Reis

De forma previsível, e em consonância com o clima de oba-oba proporcionado pela semana em que se comemoram os 200 anos do nascimento do naturalista inglês Charles Darwin, revistas, jornais e periódicos se esmeram em exaltar a revolução deflagrada pelos escritos do aniversariante. Além de tal acontecido ressaltar a parcialidade da imprensa em geral (sem mencionar as publicações científicas, estas, sim, parciais e fundamentalistas, no sentido mais religioso do termo), verifica-se o grau de desinformação e preconceito de nossos jornalistas, que expõem um povo já sem tanto acesso à cultura à mesma desinformação e preconceito. Neste artigo, temos a intenção de avaliar duas matérias em especial, uma publicada na Veja e outra na National Geographic [Ambas as revistas apresentaram em suas respectivas edições mais de um artigo tratando do darwinismo; entretanto, nossa análise se restringe a duas matérias, sendo cada qual publicada em uma das revistas: de Gabriela Carelli, “A Darwin o que é de Darwin.”, Veja, ed. 2099, ano 42, nº 6, 11 de fevereiro de 2009, pp.72-83, de agora em diante “D/V”; e de Matt Ridley, “Darwins modernos”, National Geographic, ano 9, nº 107, fevereiro de 2009, pp. 59-71, de agora em diante “D/NG”].

O que se percebe, tanto em D/V quanto em D/NG, é a reprodução de erros pontuais perpetuados pela ciência naturalista sem qualquer filtro conceitual, como se o naturalismo fosse uma verdade epistemológica inquestionável, a ponto de os grupos que se recusam em dobrar as servis em face de seus conceitos serem taxados de fundamentalistas, ignorantes e fanáticos religiosos. Para facilitar nossa revisão das matérias, iremos separar por tópicos os principais dogmas que elas apresentam e que, ao leitor desavisado, podem soar como lógicos e conclusivos. Desta forma, esperamos contribuir esclarecendo aspectos marginais da disputa entre criacionismo e evolucionismo, debate que, a estas alturas, torna-se ínvio em conseqüência das distorções tendenciosas de setores da mídia.

“A prova da evolução”

1. O desconhecimento dos limites da seleção natural e de sua aceitação parcial pelos criacionistas:

A teoria de Darwin (segundo a qual todos os seres vivos existentes surgiram a partir de organismos inferiores, derivando-se através de mutações que visavam à adaptabilidade, sendo dirigidas pelo acaso [“Concordar com Darwin significa aceitar que a existência de todos os seres vivos é regida pelo acaso e que não há nenhum propósito elevado no caminho do homem na Terra”, D/V, p. 77. Ver também p. 78 e 80]), recebe o status de verdade inconteste nas páginas das reportagens em revista. A revolucionária comprovação chega a ser assim expressa: “Os biólogos se viram desmentidos em sua certeza de que as espécies são imutáveis” [idem, p. 74]. Em D/NG, lemos este parágrafo didático: “[.] A grande idéia de Darwin é que a seleção natural se deve em grande parte à diversidade de características que se nota entre espécies aparentadas. Agora, no bico do tentilhão e na pele do camundongo, podemos acompanhar a seleção natural em funcionamento, moldando e modificando o DNA dos genes e o modo como se expressam, a fim de adaptar o organismo a suas circunstâncias específicas” [D/NG, p. 59]. Quanto à formulação da seleção natural como mecanismo responsável pela adaptação de espécies a um novo meio, isto é, de fato, inquestionável e a Darwin cabem os méritos merecidos pela compreensão do tema [ver Phillip E. Johnson, “What is Darwinism?”, publicado originalmente em Published in the collection Man and Creation: Perspectives on Science and Theology (Bauman ed. 1993), pelo Hillsdale College Press, Hillsdale, e disponível aqui: “[.] Quando a teoria é entendida neste senso limitado, a evolução darwiniana é incontestável, e não tem nenhuma importante implicação filosófica ou teológica”].

O problema surge quando os evolucionistas sugerem que este mecanismo tenha se responsabilizado pelo surgimento de vida no planeta. Uma coisa é a adaptabilidade genética dos organismos vivos ao seu habitat (microevolução) e outra, bem distinta, é a transformação de uma espécie em outra, completamente diferente (macroevolução). Nenhum cientista trouxe, até agora, provas inequívocas que endossem ter havido, em qualquer época, uma macroevolução nos moldes evolucionistas [em D/V, p. 82, o famoso caso dos tentilhões de Galápagos é tratado como a “a prova da evolução”. Cf.: “Os Darwins de hoje observam em detalhes a maneira como a competição e as mudanças ambientais podem criar novas espécies.” D/NG, p.65].

Inspiração da eugenia

2. O endosso ao livro The descent of man [A descendência do homem], o mais polêmico trabalho de Darwin:

devido às menções honrosas feitas ao livro citado acima pelas matérias [D/V,p. 80 e D/NG, p. 65], volume pouco conhecido do naturalista inglês, somente se pode chegar a uma das duas conclusões: ou os articulistas não leram todo o livro que elogiam efusivamente ou ignoram suas polêmicas conseqüências. Fico com dois exemplos de raciocínio desenvolvidos em Descent of Man, para tornar patente seus absurdos.

Sobre as habilidades observadas em grandes mamíferos, como elefantes e gorilas, ele se pergunta: “Agora, qual é a diferença entre ambas as ações, quando praticadas por um aborígene [uncultivated man] e por um dos animais superiores?” Ou seja, perde-se a diferença entre homens e animais. Por que se utilizar de cobaias em pesquisas médicas, se a vida deles vale tanto quanto a nossa ou a de qualquer outro ser vivo [ver David Ekkens, “Animais e Seres Humanos: São Eles Iguais?”, (1994) ano 6, vol. 3, pp. 5-8, disponível aqui e Katrina A. Bramstedt, (2003) Diálogo, ano 15, vol. 2, p.24-25, disponível aqui]?

Em outro capítulo, comentando sobre infanticídio, tortura, escravidão, o preconceito racial (especialmente contra o índio, na civilização do Oeste americano, Darwin argumenta que a moral tem variado em cada sociedade, uma vez que tais práticas, hoje vistas como criminosas, já foram ou ainda são praticadas em alguns contextos culturais. Darwin, então, estabelece o relativismo cultural ao concluir que tão “logo uma tribo reconheça um líder, a desobediência torna-se um crime, e mesmo a submissão desprezível é vista como uma virtude sagrada.” [Charles Darwin, The descent of man, a obra se encontra disponível aqui; consultei especialmente os capítulos 3 e 4, em que homens e animais são assemelhados em áreas como desenvolvimento social, linguagem, inteligência, instintos etc. nota-se igualmente a diferenciação entre homens de culturas primitivas e homens modernos. Não à toa, o darwinismo inspirou a eugenia, abrindo as portas para a discriminação racial européia em fins do século 19 e início do século 20, sentimento que, entre outros fatores históricos, filosóficos e econômicos, culminou com o nzismo. Basta ler Darwin para entender…]

Liberdade para a pesquisa

3. uso comprobatório da genética em prol da teoria evolucionista:

Ao longo de ambos os textos, se fazem afirmações sobre as contribuições da Genética para o estabelecimento e melhor compreensão da proposta evolutiva de Darwin [“O DNA não só comprova que a evolução existe de fato como também mostra que, em nível mais fundamental, de que maneira ela configurava os seres vivos.”, “[.] a evolução opera não só por meio de mudanças nos genes mas pela modificação do modo pelo qual os genes são ativados e desativados.” D/NG, pp. 58 e 70; “Hoje, para entender a história da evolução, sua narrativa e mecanismo, os modernos darwinistas não precisam conjeturar sobre o funcionamento da hereditariedade. Eles simplesmente consultam as estruturas genéticas. As evidências que sustentam o darwinismo são agora de grande magnitude [.]”,D/NG, p. 76]. Em verdade, sabe-se hoje que os genes contém informação especificada, e não haveria vida, mesmo do organismo de menor complexidade, se esta informação não estivesse prontamente disponibilizada, ao contrário do que sugere o Darwinismo, que concebe o desenvolvimento da informação genética num processo gradual e sem propósito. Uma conhecida autora observou que “[.] uma estrutura de Informação específica contenta-se em requerer um amplo número de instruções. Se você precisar de seu computador para copiar o poema “‘Twas the Night Before Christmas,” você precisará especificar cada letra, uma por uma. Não há atalhos. Este é o tipo de ordem que nós encontramos no DNA. Seria impossível produzir um simples conjunto de instruções ordenando uma forma química para sintetizar o DNA até mesmo de uma simples bactéria. Você teria que especificar cada “letra” química, uma a uma” [Nancy R. Pearcey , “DNA: The Message in the Message”, disponível aqui]. A genética favorece muito mais o conceito do Design Inteligente do que o darwinismo!

Em D/NG, se constata o desconhecimento cabal de Darwin das leis da genética: “Embora a genética moderna comprove os acertos de Darwin nos mais variados aspectos, ela também trouxe à luz seu maior equívoco. As concepções de Darwin a respeito dos mecanismos de transmissão das características eram confusas – e erradas. Ele acreditava que em um organismo se mesclavam as características de seus pais, e também começou a achar que se transmitiam as peculiaridades adquiridas durante a vida do indivíduo (lamarquismo)” [D/NG, p. 71].

Muito mais poderia ser dito a respeito a respeito das reportagens citadas, ou de outras divulgadas por aquelas ou por outras publicações. No entanto, pode-se dizer que, em se tratando de mídia brasileira, o favorecimento do evolucionismo em detrimento do sério jornalismo imparcial, que ouve os dois lados da história, chega a ser enfadonho, de tão repetitivo. Vale lembrar também que a luta pela promoção do ciacionismo não se trata de uma postura retrógrada, porém de legítima liberdade para a pesquisa, tendo como ponto de partida o que se crê – o que, neste aspecto, assemelha criacionismo e darwinismo, já que este último se vale de pressupostos metafísicos na construção de sua grade epistemológica, tanto quanto o primeiro. Para os cristãos legítimos, que aceitam a veracidade das Escrituras, Darwin não pode continuar usurpando o que a Deus pertence.

Navegação de Posts

%d blogueiros gostam disto: