Pensamentos

Arquivo para o mês “agosto, 2008”

Viva com Esperança!

Aqui vai a dica de um site MUITO interessante:

Acessem e comprovem! 😉

Anúncios

A de Amor

Venho me perguntando o que faz as pessoas optarem pelo casamento se contam com outras alternativas para a vida a dois. A justificativa mais comum para o casamento é o amor. Mas devemos considerar que amor é uma experiência cuja definição está em xeque não apenas pela quantidade enorme de casais que “já não se amam mais”, como também pelo número de pessoas que se amam, mas não conseguem viver juntas.

Talvez por estas duas razões – o amor eterno enquanto dura e o amor incompetente para a convivência – nossa sociedade providenciou uma alternativa para suprir a necessidade afetiva das pessoas: relacionamentos temporários em detrimento do modelo indissolúvel. Mas, mesmo assim, o número de pessoas que optam pelo casamento em sua forma tradicional, do tipo “até que a morte vos separe”, cresce a cada dia.

Acredito que existe uma peça do quebra cabeça que pode dar sentido ao quadro. Trata-se da urgente necessidade de desmistificar este conceito de amor que serve de base para a vida a dois. Afinal de contas, o que é o amor conjugal? Para muitas pessoas, o amor conjugal é confundido com a paixão. Paixão é aquela sensação arrebatadora que nos faz girar por algum tempo ao redor de uma pessoa como se ela fosse o centro do universo e a única razão pela qual vale a pena viver. Essa paixão geralmente vem acompanhada de uma atração quase irresistível para o sexo, e não raras vezes se confunde com ela. Assim, palavras como amor, paixão… acabam se fundindo e tornando-se quase sinônimas.

Esse conceito de amor justifica afirmações do tipo “sem amor nenhum casamento sobrevive”, “sem paixão, nenhum relacionamento vale a pena”, “é o sexo apaixonado que dá o tempero para o casamento”.

Minha impressão é que todas essas são premissas absolutamente irreais e falsas. Deus justificou a vida entre homem e mulher afirmando que não é bom estar só. Nesse sentido, casamento tem muito pouco a ver com paixão arrebatadora e sexo alucinante. Casamento tem a ver com parceria, amizade, companheirismo, e não com experiências de êxtase. Casamento tem a ver com um lugar para voltar ao fim do dia, uma mesa posta para a comunhão, um ombro na tribulação, uma força no dia da adversidade, um encorajamento no caminho das dificuldades, um colo para descansar, um alguém com quem celebrar a vida, a alegria e as vitórias do dia-a-dia. Casamento tem a ver com a certeza da presença no dia do fracasso, e a mão estendida na noite de fraqueza e necessidade. Casamento tem a ver com ânimo, esperança, estímulo, valorização, dedicação desinteressada, solidariedade, soma de forças para construir um futuro satisfatório. Casamento tem a ver com a certeza de que existe alguém com quem podemos contar apesar de tudo e todos… a certeza de que, na pior das hipóteses e quaisquer que sejam as peças que a vida possa nos pregar, sempre teremos alguém ao lado.

Nesse sentido, não é certo dizer que sem amor nenhum casamento sobrevive, mas sim que sem casamento nenhum amor sobrevive. Não é certo dizer que sem paixão, nenhum relacionamento vale a pena, mas sim que sem relacionamento nenhuma paixão vale a pena. Não é o sexo apaixonado que dá o tempero para a vida a dois, mas a vida a dois que dá o tempero para o sexo apaixonado. Uma coisa é transar com um corpo, outra é transar com uma pessoa. Quão mais valiosa a pessoa, mais prazeroso e intenso o sexo. Quão menos valorizada a pessoa, mais banal a transa.

Assim, creio que podemos resumir a vida a dois, entre homem e mulher, conforme idealizada por Deus, em três palavras que descrevem um casal bem-sucedido:

Um casal bem-sucedido é um par de amantes.
Um casal bem-sucedido é um par de amigos.
Um casal bem-sucedido é um par de aliados.

São três letras A que fornecem a base de uma relação duradoura. Amante se escreve com A. Amigo se escreve com A. Aliado se escreve com A. E não creio ser mera coincidência o fato de que todas as três, amante, amigo e aliado, se escrevem com A… A de AMOR.

(Ed René Kivitz, com colaboração de Ingrid Oliveira)

Como publicado no site Vida em Família

Mudanças…

“Não existe nada permanente, exceto a mudança.” – Heráclito

Heráclito foi um filósofo grego. Não quero aqui discutir seus pensamentos, ou as coisas nas quais ele cria, mas sim refletir sobre essa sua frase.

Pra mim, a mais pura verdade. Vivemos em constante mudança. Nosso corpo muda, nossos pensamentos mudam, nossa casa muda, nossa família, às vezes mudamos de bairro, cidade, estado, país… A mudança é uma constante em nossas vidas, e cego é quem não percebe isso.

Mas nem todos gostam de mudanças. Há pessoas que, se pudessem, viveriam eternamente num mesmo lugar, fazendo sempre as mesmas coisas. Batem o pé e dizem que não mudarão nunca. Isso também é verdade quanto à forma de pensar. Tem gente que diz que nunca vai mudar de opinião, outros até se orgulham disso.

Entendo que isso talvez se deva ao medo que temos das mudanças, do desconhecido, das coisas que teremos que enfrentar, oriundas dessa mudança, qualquer que seja ela. O fato é, porém, que sempre mudamos, de uma forma ou de outra. E isso, longe de ser ruim, é algo que nos traz crescimento.

Eu posso falar assim pois, em menos de dois meses, minha vida deu uma reviravolta. Em maio do ano passado (2007), eu era solteira (noiva), recém-formada e morava com meus pais em João Pessoa (PB). No fim de julho, eu estava casada (adicionando mais um nome ao meu, que já é grandinho), trabalhando e morando na Bahia.

Não foi fácil, não mesmo! Tive que passar por tantas coisas! Fora o fato de estar longe de casa, dos amigos e família, tendo que freqüentar uma igreja totalmente diferente da minha, ainda tive que lidar com questões como relacionamento com colegas de trabalho, casamento, distância e outras dificuldades, até então desconhecidas pra mim. Isso, pra muita gente, pode soar como uma grande chatice, mas hoje, meditando em tudo que aconteceu, eu agradeço a Deus pelas mudanças.

Sim, agradeço. Pois foi com elas que aprendi muito do que sei hoje. Tive que lidar com as mais diferentes situações e dar um jeito de me sair bem delas. E acho que estou conseguindo. Não é fácil, mas como se amadurece!

Portanto, se Deus te chamou para fazer algo, se você sente (ou mesmo tem certeza) que há alguma mudança a caminho, louve a Deus, e prepare-se! Grandes aprendizados virão…

“Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” – Rm 8:28

Crianças e a internet

Deu no site Opinião e Notícia: A empresa Garlik,da Grã-Bretanha, realizou uma pesquisa que revela os riscos que crianças daquele país correm ao navegar na web. Segundo a pesquisa, 20% das mil crianças entrevistadas já mantiveram contato com um estranho via internet e 66% disponibilizam informações pessoais como telefone celular e endereço da escola em seus perfis eletrônicos. Além disso, 25% têm entre 8 e 12 anos e utilizam os sites de relacionamentos Facebook, Bebo e MySpace – apesar da restrição de idade ser de 13 ou 14 anos.

Por isso, os conselhos do site Hypescience merecem atenção:

As crianças andam assumindo muitos riscos na internet enquanto a maioria dos pais parece não perceber isso. Mas se você que pretende mudar este quadro, poderá encontrar à seguir diversas técnicas úteis.

Primeiramente você precisa fazer seu filho entender que assim como você, para sua própria segurança, não o deixa ir sozinho em qualquer lugar, ele também precisa ‘prestar contas’ dos lugares que visita na internet. Assim como no mundo real existem perigos, estes também estão presentes no mundo virtual.

Se sites de redes sociais e fóruns como o Orkut tem idade limite para seus usuários, os pais devem ser os primeiros a orientar que estes limites sejam respeitados.

As crianças que já estão nas redes sociais devem saber que os próprios precursores destas redes, como engenheiro Orkut Buyukkokten, afirmam que nunca adicionam como amigos pessoas que não conhecem no mundo real. Essa deve ser uma regra adotada para o uso de todas as crianças no computador. Os programas de mensagem instantânea também devem ser incluídos nesta norma.

Manter o olho no perfil do Orkut de seu filho com freqüência também é fundamental. Para os pais mais vigilantes, outra possibilidade, é instalar um software que controle ou grave o que a criança faz durante o tempo que passa online. Mas para não haver quebra de confiança entre pais e filhos seria importante que a criança soubesse disso e que essa ‘vigilância’ é para o seu bem.

O Windows Vista possui nativo o “Controle dos Pais”, uma opção de controle que limita vários aspectos do uso do computador pelos filhos como horários, sites, jogos e programas. Outros programas podem ser baixados separadamente. Sugerimos testar primeiramente aqueles classificados como “freeware”, como o Smart Parental Control, pois são totalmente gratuitos.

(Retirado do blog Criacionista)

Bem simples…

Aqui vai uma “descoberta” que fiz hoje (entre aspas, porque pode ser que seja descoberta só pra mim, e vocês já conheçam, mas enfim, fica a dica!): o site Bem Simples.

Nele, muitas dicas simples sobre os mais variados assuntos: saúde, relacionamentos, casa… O site é bem “clean” e fácil de navegar, e você pode, além de enviar soluções pra diversos tipos de problemas, dar nota pra as que você encontrou por lá.

Claro que deve haver muita coisa que não está dentro daquilo que acredito como melhor pra um cristão, mas é sempre bom ter um site desses entre os favoritos, podem ajudar a quebrar um galho danado!

Então, vão lá e chequem por vocês mesmos. Boa navegada! 😉

Paz

Ontem à noite, ao assistir o sermão na igreja, me senti inspirada pra escrever aqui. O tema foi “paz”. Ela, que é tão perseguida por muitos de nós, e tão mal compreendida.

O verso inicial foi João 14:27: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.” Nosso Jesus querido é Aquele que nos promete a paz. Na verdade, podemos dizer que Ele é a própria paz. E notem o mais interessante: a Sua paz é diferente da paz do mundo.

Aqui, podemos fazer uma paradinha e analisar o seguinte: o que é paz pras pessoas do mundo de hoje, desse mundo em que vivemos? Simples ausência de guerra? Nada de brigas em casa? Ganhar dinheiro e ter uma vida tranqüila, podendo comprar o que quiser, sem se preocupar com nada? Viver num lugar bem afastado? O pastor mencionou algo interessante: há pessoas que, quando estão deprimidas, ou com algum problema, se alguém vai conversar com elas, dizem logo: “Me deixem em paz!”, e se trancam em seus mundos sombrios. Como se problemas, depressão, tristeza fossem o mesmo que paz.

Vemos que o mundo tem uma visão realmente distorcida de paz. Paz não é nada disso. Há pessoas que são riquíssimas e não têm paz. Ausência de guerras ou de problemas em casa também não são garantias de paz pra ninguém. Pessoas existem com muita saúde, vigor, poder, mas sem paz.

Isso porque no mundo em que vivemos, sempre teremos problemas. O próprio Jesus deixou o recado: “No mundo, tereis aflições” (João 16:33). Isso não parece animador.

Mas, há uma boa notícia. Vejamos o que está escrito em Isaías 9:6:

Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.”

Jesus é o Príncipe da Paz. Que boa notícia! Ter paz é ter Jesus no coração. Por isso não importa se temos dinheiro ou não, se pessoas nos magoaram ou não, se há algo errado ou não: se temos Jesus em nossa vida, temos PAZ! E é essa paz que só Ele pode nos dar, que nada no mundo consegue superar, que nos faz, mesmo em meio às batalhas da vida, lutarmos e sermos vencedores.

Mas, como fazer pra termos essa paz? “Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti.” (Isaías 26:3). O segredo foi revelado pela própria palavra de Deus! O segredo é confiar.

Só confiamos em quem conhecemos, verdade? Não deixamos nossos filhos com qualquer um, não emprestamos nossos pertences a um desconhecido. Pra confiar, preciso conhecer. E com Jesus não é diferente. Pra confiarmos nEle, precisamos conhecê-lO. E conhecer quer dizer conversar com Ele todos os dias, “ouvir” o que Ele tem a nos dizer, através da Sua santa Palavra. Não é assim que conhecemos todas as pessoas?

Pois é, e essa convivência traz conhecimento, e o conhecimento, confiança. E a confiança, paz…

Não é fácil largarmos as coisas que gostamos de fazer pra termos alguns momentos com Jesus. Mas é importante, necessário. Demanda esforço de nossa parte, como lemos em Lucas 13:24: “Respondeu-lhes: Esforçai-vos por entrar pela porta estreita, pois eu vos digo que muitos procurarão entrar e não poderão.” Não é fácil, mas certamente não é impossível. E os resultados são garantidos.

Não é maravilhoso saber que podemos, sim, ter essa paz, a qualquer momento do dia, mesmo quando estamos sufocados pelo trabalho, problemas ou pressões? Que eu e você possamos, todos os dias, buscar a Jesus, buscar Sua paz.

“O meu povo habitará em moradas de paz, em moradas bem seguras e em lugares quietos e tranqüilos,” – Isaías 32:18

Salmo 139

Um dos meus preferidos…

1     ¶ SENHOR, tu me sondas e me conheces.
2     Sabes quando me assento e quando me levanto; de longe penetras os meus pensamentos.
3     Esquadrinhas o meu andar e o meu deitar e conheces todos os meus caminhos.
4     Ainda a palavra me não chegou à língua, e tu, SENHOR, já a conheces toda.
5     Tu me cercas por trás e por diante e sobre mim pões a mão.
6     Tal conhecimento é maravilhoso demais para mim: é sobremodo elevado, não o posso atingir.
7     ¶ Para onde me ausentarei do teu Espírito? Para onde fugirei da tua face?
8     Se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama no mais profundo abismo, lá estás também;
9     se tomo as asas da alvorada e me detenho nos confins dos mares,
10     ainda lá me haverá de guiar a tua mão, e a tua destra me susterá.
11     Se eu digo: as trevas, com efeito, me encobrirão, e a luz ao redor de mim se fará noite,
12     até as próprias trevas não te serão escuras: as trevas e a luz são a mesma coisa.
13     Pois tu formaste o meu interior tu me teceste no seio de minha mãe.
14     Graças te dou, visto que por modo assombrosamente maravilhoso me formaste; as tuas obras são admiráveis, e a minha alma o sabe muito bem;
15     os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra.
16     Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda.
17     ¶ Que preciosos para mim, ó Deus, são os teus pensamentos! E como é grande a soma deles!
18     Se os contasse, excedem os grãos de areia; contaria, contaria, sem jamais chegar ao fim.
19     Tomara, ó Deus, desses cabo do perverso; apartai-vos, pois, de mim, homens de sangue.
20     Eles se rebelam insidiosamente contra ti e como teus inimigos falam malícia.
21     Não aborreço eu, SENHOR, os que te aborrecem? E não abomino os que contra ti se levantam?
22     Aborreço-os com ódio consumado; para mim são inimigos de fato.
23     Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos;
24     vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno.

Louvado seja Deus!!!

Infância que não volta mais…

Você foi criança nos anos 80? Eu também tive esse privilégio… Acredito que, depois dessa, nenhuma infância conseguiu ser tão feliz…

Quero compartilhar com vocês um video que mostra tudo que curtimos e que ficou pra trás… Saudades!

Navegação de Posts

%d blogueiros gostam disto: