Pensamentos

Arquivo para o mês “abril, 2009”

Pensamentos interessantes

Inaugurando mais uma seção no blog. Espero que gostem 😉

Para o homem que acha que é superior à mulher:

A mulher deve ocupar a posição que Deus originariamente lhe designou, de igualdade com o marido. O mundo necessita de mães que o sejam não meramente no nome mas em todo o sentido da palavra. Podemos dizer com segurança que os deveres que distinguem a mulher são mais sagrados, mais santos, que os do homem.

(…)

A esposa e mãe não deve sacrificar sua força e permitir fiquem inativas suas faculdades, dependendo inteiramente do esposo. Sua individualidade não pode imergir na dele. Ela deve sentir que é igual ao marido – deve estar ao seu lado, fiel no seu posto de dever e ele no seu.

(Ellen White, O Lar Adventista, p. 231, ed. Casa Publicadora Brasileira)

Para aqueles que não conseguem ver os milagres divinos no dia-a-dia e, por isso, acham que Deus não existe:

O milagre é um jeito de Deus reescrever com letras pequenas aquilo que já escreveu na tela da natureza com letras grandes demais para alguns verem.

(C. S. Lewis, Milagres: um estudo preliminar, ed. Mundo Cristão)

Jurada admite que comentário contra casamento gay derrubou miss

misscaliforniaCandidata da Califórnia ficou em segundo no Miss EUA. Vencedora foi candidata da Carolina do Norte.

Uma das cinco juradas do Miss EUA realizado no domingo à noite (19) em Las Vegas admitiu que a candidata que ficou em segundo lugar perdeu a coroa justamente por conta de declarações contra o casamento gay.

No domingo Kristen Dalton (Carolina do Norte), de 22 anos, venceu outras 50 concorrentes, e representará o país no próximo Miss Universo. Com a ‘medalha de prata’ ficou a Miss Califórnia, Carrie Prejean.

Na seção de perguntas, onde um integrante dos jurados fazia uma questão, Carrie escolheu, por sorteio, o blogueiro de fofocas Perez Hilton (sim, o apelido dele é uma alusão a Paris Hilton). E a pergunta foi sobre o casamento homossexual.

“Eu acredito que casamento deveria ser entre um homem e uma mulher. Sem ofender ninguém, mas é isto que eu mostro”, disse ela, provocando uma mistura de aplausos e vaias na plateia (leia mais aqui).

A jurada Alicia Jacobs, que já foi Miss Nevada, escreveu em seu blog sobre aquilo que chamou de ‘o desastre da Miss Califórnia’. Antes, a própria Carrie afirmou que havia perdido a coroa por conta do que falou.

“Eu fiquei atordoada”, disse. Alicia comentou ainda ter ficado boquiaberta ao perceber que a candidata californiana não sabia quem estava vendo e quem eram os jurados. “Não podemos esquecer que quem fez a pergunta é um gay”, disse ela. “Pelo menos duas pessoas que eram juradas são a favor dos gays. Outro jurado tem uma irmã que é casada com uma mulher… Já mencionei que estou atordoada?”, completou a ex-miss.

Alicia escreveu no blog que cada jurado teve que selecionar as top 5 do concurso. Em meio à escolha, ela diz ter perguntado sobre o quão importante era o peso da performance das candidatas para a “pergunta final”. “A presidente do Miss Universo, Paula Shugart, disse que sim, é importante ser articulada e ter inteligência nas respostas”, contou.

A jurada disse ainda que Perez Hilton foi o único que formulou a sua própria questão e que ela havia sido liberada pela organização do concurso.

“No intervalo comercial, alguns juízes como Perez, Shandi Finessey (Miss EUA-2004) e eu conversamos e ficamos todos chocados com o que havíamos acabado de ouvir. Daí voltamos do comercial e era o momento da verdade. Primeiramente, eu havia escolhido ela para ser a segunda colocada, mas depois alterei e ela ficou em quarto no ranking pessoal. Se eu pudesse, ela seria a 51ª.”, disse a jurada.

Em sua página na internet, Perez Hilton disse que Kristen Dalton “foi definitivamente a melhor” e afirmou que ela ganhou duas das competições do concurso, entre elas a de biquíni. “Ou a Miss Califórnia esqueceu isso?”, questionou ele.

“Estamos orgulhosos em ter ajudado ela (Kristen) a conquistar esse título”, afirmou.

(G1.com)

——————–

Vi essa notícia hoje, no blog do jornalista Michelson Borges. Ele perguntou: “Liberdade de expressão? Onde?” E eu respondo: a liberdade de expressão mandou lembranças!

Fico impressionada com isso! Todo mundo fala em ser livre, pensar, dizer e fazer o que se quer, sem que ninguém condene ninguém por isso. Muito bom! Louvável! Mas, será que vemos isso na prática? Quando alguém famoso diz que está frequentando um templo budista, todo mundo acha o máximo, e alguns até passam a fazer o mesmo, só porque foi sei lá quem que disse que é bom. Quando alguém levanta a bandeira do homossexualismo, todos aplaudem, pois, afinal, esse está “indo de encontro aos preconceitos”.

O engraçado é que essas pessoas que tanto pregam a liberdade e o fim dos preconceitos são, elas mesmas, as mais preconceituosas. Se alguém famoso diz que virou cristão, vira é alvo de chacota. Se alguém diz claramente ser contra o casamento gay, perde o concurso de miss. Em que mundo estamos? Existe ou não liberdade de expressão? Existe ou não o livre-arbítrio para pensarmos, dizermos ou fazermos o que bem entendemos?

Eu não estou aqui me fazendo de vítima nem me colocando numa cruz. Apenas quero chamar a atenção para a grande hipocrisia reinante em nosso mundo, especialmente na mídia. Agora, para ganharmos ou conseguirmos algo, temos que dizer não aquilo que sinceramente pensamos, mas o que vai “agradar” ao jurado ou quem quer que esteja nos ouvindo?! Isso é o cúmulo do absurdo! O fim da picada. Fica aqui meio desabafo. Ô povo sem noção, meu Senhor!

Almas gêmeas?

standing_heartsOntem, após fazer as pazes com meu esposo (depois de um desentendimento), comecei a refletir em como é difícil fazer um casamento dar certo.

Isso não tem nada a ver, antes que pensem, com o fato de amar ou não o seu cônjuge. Eu amo o meu esposo mais que amo qualquer pessoa nessa Terra, e eu sei o quanto ele me ama. Acho que somos o casal que mais se ama que eu conheço (penso que todos os casais achem isso deles mesmos hehehe). Mas isso não impede de ser difícil fazer o casamento dar certo.

Fico pensando em quantas pessoas dão o passo do casamento apressadamente, sem sequer imaginar as dificuldades que virão com o passar dos dias.

No início, tudo é muito fácil. Estamos apaixonados e achamos que tudo vai ser sempre perfeito, como nos filmes que passam no cinema. “Afinal”, pensamos, “somos almas gêmeas. Viveremos felizes para sempre, e isso é óbvio. E esses casais que brigam por aí? Ah, esses não se amam! Mas nós, sim, nos amamos de verdade, e nunca vamos nos desentender!”

Doce ilusão! Mas é isso que os filmes mostram mesmo. Casais que se formam e se mantêm sem o menor esforço! Quanto vejo isso ou ouço pessoas que pensam dessa forma, me lembro logo de um episódio de Friends em que Mônica fala para alguém que ela e Chandler (seu esposo na série) não são almas gêmeas, e que tiveram que lutar muito pra fazer tudo dar certo.

E é isso mesmo! Por mais que você se pareça com seu namorado(a)/noivo(a)/esposo(a), vocês NÃO são almas gêmeas. E sabe por quê? Simplesmente porque tal coisa não existe! Deus nos fez diferentes, não existe ninguém igual a ninguém, por mais que sejam parecidos em muitas coisas. Não existe essa de “tampa da panela” ou “metade da laranja”. Cada um de nós é um ser completo. E enquanto não entendermos isso, vamos sair por aí buscando a felicidade na “outra metade”, esquecendo-nos de que temos que ser felizes sozinhos para podermos fazer outra pessoa feliz.

Mas não: o que a gente quer é ser feliz. “Fazer outro feliz? Que nada! Ele é que tem por obrigação me fazer feliz, eu já sofri demais nessa vida!” Só que não é assim. A gente tem que aprender a ser feliz sozinho, pois Deus não criou ninguém pela metade. Ele faz cada um único. Inteiro. Ele não precisa nos unir a outro ser humano para nos amar, assim como somos.

Agora, claro que é bom ter outra pessoa. Mas apenas quando somos maduros o suficiente para entendermos que a questão não é precisar de outro para ser feliz. A questão é: “sou feliz e amo tanto aquela pessoa que também quero fazê-la feliz.”

Com isso em mente, fica mais fácil entrarmos num relacionamento. Vamos correr menos riscos de nos decepcionarmos. Mas ainda há outra coisa a saber: não espere perfeição do outro. Ele é ser humano exatamente como você. E, exatamente como você, é cheio de defeitos. Passamos a vida aprendendo a lidar com os defeitos daqueles a quem amamos, e esquecemos que eles fazem o mesmo com a gente.

Outro ponto importante: brigas vão sempre acontecer. Como foi o caso hoje, comigo e com meu esposo. Não quer dizer que nos amamos menos, ou que não nos amamos. Não quer dizer que vamos nos separar, que vai acabar tudo porque o casamento deu errado (antes que alguém pergunte!). Não! Casamento é assim mesmo. Levamos uma vida inteira com outra pessoa, dormindo e acordando juntos, e, ainda assim, nunca iremos conhecê-la completamente. Também somos diferentes, como falei no início. Por mais que sejamos parecidos, somos seres humanos distintos. Brigas vão vir, desentendimentos também. Mas é necessário maturidade para saber que isso é normal, para lidarmos com a situação e resolvermos o problema, e para fazermos as pazes, certos de que fizemos o melhor.

Casar não é fácil. E é preciso que os que pensam em casar tenham isso bem em mente. Precisam ser maduros para lidar com as dificuldades que virão, com a palavra divórcio, como disse o pastor que celebrou nosso casamento, fora dos nossos dicionários. Mas quão bom é, após um desentendimento, fazer as pazes, e ver que vale a pena estar ao lado daquela pessoa, mesmo em meio a dificuldades, porque estamos ao lado de quem mais amamos no mundo.

Pensem nisso, não para desistirem de casar, mas para que casem com consciência. Almas gêmeas não existem, mas existem pessoas muito parecidas, que são felizes sozinhas, e que juntas podem ser ainda mais felizes. Essas existem sim, eu garanto…

Excerto

Trecho do livro “O casamento que você sempre quis”, de Gary Chapman, ed. Mundo Cristão:

James Dobson afirma que “a falta de auto-estima produz mais sintomas de distúrbios psiquiátricos do que qualquer outro fator já identificado”.¹

Ele destaca que nosso sistema de valores culturais exalta a beleza, a inteligência e a habilidade atlética. ² Se falharmos nestas três áreas (a maioria das quais está fora de nosso controle), nos vemos como fracassados.

O conceito que se tem ao próprio respeito pode, no entanto, estar errado. Talvez você não tenha porte de supermodelo, ou então não fez curso superior, ou mesmo seja um perna-de-pau no futebol — o que tudo isso significa? Que você, como todas as outras pessoas normais e mortais, é feito à imagem de Deus. Centenas de pessoas ao seu redor lutaram contra esses mesmo sentimentos de desajuste e venceram. Você também pode vencer.

É claro que você possui fraquezas. É claro que já errou algumas vezes, mas também possui pontos fortes e pode ser bem-sucedido em muitas coisas. Talvez não consiga passar no vestibular para Medicina, mas sabe como fazer funcionar um site da internet. É possível que não tenha a aparência de uma artista de cinema, mas é extrovertida, popular e tem grande talento artístico. Suas habilidades não são as mesmas de outros, nem devem ser. Deus não dirige uma fábrica de biscoitos, onde todos são feitos iguais uns aos outros. Ele tem uma fábrica de flocos de neve, notável pela variedade.

Faça o melhor que puder sob a direção de Deus. Tire proveito de suas habilidades; não se preocupe com as coisas que estão além de seu controle. Você é uma pessoa digna por ser feita à imagem de Deus. Seu valor não é determinado pelo que fez ou deixou de fazer. Você pode alcançar alvos valiosos. Não permita que suas emoções tomem conta de tudo. Admita seus sentimentos de imperfeição diante de Deus, mas agradeça a Ele por poder ser tudo “naquele [Cristo] que me fortalece” (Filipenses 4:13).

¹The New Hide and Seek [O Novo Jogo de esconde-esconde]. Grand Rapids: Revel, 1993, p. 195

²The New Hide and Seek, p. 17-53

Aparências…

Como elas enganam!

O casamento que você sempre quis

ocqvsqChuvinha lá fora, que coisa boa! Sempre é bom um tempinho chuvoso depois de um longo período de calor. Desde sexta, vem chovendo praticamente todos os dias!!! É bom esse tempinho frio e a gente em casa, descansando, embora amanhã a labuta diária retorne 😦

Mas enfim, estive pensando na promessa que eu fiz aqui no blog e não cumpri, de que só leria dois livros de cada vez e não me aquietaria até que os terminasse. Pois bem, comprei dois livros novos, que chegaram ontem. E comecei, ontem mesmo, a ler um deles. Estou pensando seriamente em dar uma pausa num daqueles que já estava lendo antes para ler o outro e esse novo que chegou. Porque simplesmente o livro é MUITO bom e não consigo parar de lê-lo hehehe…

Trata-se de “O casamento que você sempre quis”, da Mundo Cristão. É de Gary Chapman, pastor e conselheiro matrimonial. Já li dele “As cinco linguagens do amor” e “Como mudar o que mais irrita no casamento”, e ainda temos o “As quatro estações do casamento”, que queremos ler juntos, eu e meu esposo. Além de gostar de ler, porque é sobre casamento e eu sou casada, eu amo livros que falem sobre relacionamentos.

E pelo que estou lendo, é maravilhoso. Recomendo a todos: solteiros, namorados, noivos ou casados. Com certeza, aprenderemos muito com ele!

P.S. Depois coloco aqui trechos que achar interessantes!

Update

Gente! Como estão vocês? Aproveitando bem o feriado? Espero que sim! Só de saber que ainda tenho mais dois dias e meio de folga!!! Ahhhh que coisa boa!!! hehehehehehe

Bom, estou passando rapidinho pra divulgar um novo blog: o Meditação Diária.  Vão lá e comentem hein!

Amplexos 😉

A que você dá prioridade?

mulherpc2Andei pensando em escrever sobre prioridades. Bom, pra começar, nada melhor que a definição, certo? Pois bem, o dicionário Michaelis online diz o seguinte:

prioridade
pri.o.ri.da.de
sf (lat med prioritate)

1 Qualidade ou estado de primeiro; antecedência no tempo. 2 Precedência no tempo ou no lugar; primazia, preferência. 3 Direito de falar primeiro ou de ser atendido em primeiro lugar. 4 Preferência de fabricação, fornecimento, transporte etc. decretada para produtos ou materiais escassos em tempos de emergência. 5 Inform Importância de um dispositivo ou rotina de software, num sistema de computador.

Hoje eu quero falar dos ítens 1 e 2. Eles é que têm tudo a ver com o que estava pensando em conversar aqui. Qualidade de primeiro, precedência no tempo ou lugar, primazia, preferência. Não importa como você chame, todos nós temos prioridades…

Isso é bom. Pra que a gente tenha uma vida organizada, temos que ter prioridades. É interessante ver como elas mudam ao longo do tempo, e como as que se mantêm mudam de posição várias vezes.

Na infância, por exemplo: quais são as nossas prioridades além de brincar e ir pra escola? Ô tempo bom esse! Depois, vem a adolescência, e nossa vida parece que dá uma cambalhota, mas as prioridades meio que continuam parecidas. A gente só tem que ir pra escola, se preparar para o vestibular, alguns já começam a trabalhar e surgem as primeiras paixonites.

Aí a gente se torna um “jovem adulto”. E tem a faculdade, os namoros mais sérios, estágios e/ou trabalhos. Muitos já têm que lidar com a responsabilidade de cuidar de uma casa, pagarem contas. Depois alguns noivam, casam, têm filhos, e aí você tem pelo menos duas pessoas que precisam urgentemente de sua atenção a cada momento…

A tendência, à medida em que a gente “cresce”, é que as responsabilidades aumentem e as prioridades mudem. O que era importante há dez anos hoje não é mais, ou não é tanto quanto antes… Os anos vão passando e a vida vai se transformando de uma forma tal que as prioridades têm que se reciclar também.

E é interessante como sempre temos mais de uma prioridade. Isso é bom. Acredito que pessoas que dizem coisas do tipo “minha vida é o meu trabalho” ou “vivo para os meus filhos” perderam o foco. Precisam entender que a vida não se resume a uma coisa só. Muitas são as coisas a que precisamos devotar nossa atenção. Falando de mim, creio que minhas prioridades, no momento, são: trabalho, esposo, atividades religiosas, família e amigos, e, claro, poupar para o futuro (além de ter sempre que pagar as contas em dia rsrs), mas não necessariamente nessa ordem. A ordem das prioridades é coisa séria! E aqui quero abrir um parêntese.

Segredo só pra vocês: o trabalho não é minha prioridade número um. Já perdi a conta de quantos chegam pra mim e perguntam: “qual a sua especialidade?” (pelo fato de eu ser médica). Eu não levo a mal, as pessoas gostam mesmo de saber dessas coisas e se preocupam com isso. É bom. Mas, por agora, não tenho especialidade. Daqui a um mês completo dois anos de formada. Mas ainda não me especializei. Porém, isso não se deve ao fato de que não sei o que quero. E sim que, agora, as prioridades são outras.

Meu esposo está fazendo sua segunda faculdade. E, onde estamos, é um pouco (pra não dizer muito) complicado fazer uma residência (especialização médica). Por isso resolvemos que, após o fim do seu curso, ele é que vai dar uma “paradinha” na sua progressão acadêmica para que eu tenha tempo de me especializar. Simples assim. Sempre fomos desse jeito. Descobrimos o que queremos, fazemos os planos, nos combinamos e vamos atrás disso.

E eu não me importo, porque, como falei, trabalho não é minha prioridade número um. Não me entendam mal. Eu dou, sim, valor ao trabalho. Acho que, antes de casar, a gente tem é que se preocupar com faculdade e arranjar um emprego. Amor não enche barriga, já diziam os antigos, e ninguém quer casar pra morar embaixo da ponte. Antes de casarem, o ideal é que os dois estejam formados e pelo menos um esteja trabalhando. Fato.

Também acho muito importante uma pós-graduação (tanto que quero fazer residência!). Apesar de não sentir o desejo de seguir estudando depois disso, dou o maior apoio a quem quer fazer mestrado, doutorado e todos os ados possíveis (é o caso do meu esposo). Mas creio que isso pode vir após o casamento. Prioridades de novo, hehehe…

Por isso, não me importo se perguntarem quando vou fazer minha residência, mas, a quem interessar possa, não será agora, e, mesmo quando estiver fazendo, isso não será prioridade número um. Eu não vejo porque o trabalho deva ser prioridade número um na minha vida. Esposo, família, amigos, tudo isso vem antes da carreira, embora esta não deixe de ter sua (grande) importância. Fecha parêntese.

Bem, mas voltando à questão das prioridades, muito bem: suas prioridades são, imaginemos, filhos, cônjuge, carreira, lazer (viagens, passeios de fim-de-semana, etc.), economias… Ótimo. Isso faz com que você tenha uma vida estável, organizada, prática. Mas é você feliz?

O que tenho observado é que, a despeito de toda organização, praticidade e estabilidade, se faltar só uma coisinha na sua lista de prioridades, você não vai ser verdadeiramente feliz. Pode ter uma boa vida, confortável, tranquila. Não obstante, não terá felicidade, se Deus não estiver presente.

Quanto tempo você tem dedicado a Ele na sua vida? A conhecê-lO, conversar com Ele, aprender dEle? Os meios para isso são acessíveis a todos. Há inúmeros bons livros, que você encontra em qualquer livraria ou boa biblioteca que nos falam sobre Deus e Seu amor a todos nós. A Bíblia está aí a todos quantos queiram, podendo ser até encontrada online (no meu blogroll há dois links), e também em todas as livrarias. E conversar com Ele, bem, isso você pode fazer onde quer que esteja, com as palavras que quiser, pois Ele não exige frases decoradas ou palavras difíceis, mas apenas deseja ouvir sua voz falando do fundo do coração.

Conhecer a Deus não é difícil, portanto. Mas faz toda a diferença. Tenha a Ele também na sua lista de prioridades. Deixe-O ser o que Ele realmente diz que é: o primeiro e o último, o alfa e o ômega. Que seja o primeiro com quem você conversa ao acordar, o último com quem mantém contato antes de dormir. Sua vida será mais feliz, eu garanto. Pode ter problemas, dificuldades, mas eles serão enfrentados com muito mais determinação e alegria, pois o Senhor da vida está ao Seu lado. Dê uma chance a Ele, e seja, verdadeiramente, feliz.

Para que a autoestima?

autoestimaA autoestima está presente em quase tudo que você faz. A autoestima é o valor que você dá a você mesmo, é você se sentir competente e merecedor de coisas boas. As pessoas com boa autoestima vão melhor na escola, no trabalho e têm maior facilidade para fazer amigos e desenvolver relacionamentos saudáveis. Gosto de comparar a autoestima a uma bateria poderosa. Quando está totalmente carregada, a pessoa se sente confiante e pronta para ir à luta; quando a bateria está descarregada, a pessoa sente falta de confiança em si mesma e pode parar. A autoestima, estando positiva, dará a você energia para lidar com mudanças no dia-a-dia, vai ajudá-lo(a) a ir realmente atrás do que você quer e a lidar com situações difíceis e estressantes presentes. E também o(a) ajudará a ajudar outras pessoas. A autoestima não é uma característica estática das pessoas. Ela é, sim, extremamente dinâmica, muda inclusive de dia para dia.

Você é aquilo que pensa ser, e o que pensa ser é diretamente influenciado pela sua autoestima. Toda decisão que você toma é baseada nos padrões de pensamento que estabeleceu em sua mente. E toda informação boa ou ruim que recebeu durante a vida, não só na infância, forjam seu padrão de pensamento sobre si mesmo e sobre o que é capaz de conseguir, concretizar. Vai determinar suas ações e cada área de sua vida.  Querendo ou não, é isso que governa sua vida. Se você se pensar vitorioso, vai alcançar muito e ter sucesso nas coisas que fizer. Agora se você se vê como vítima da vida ou como perdedor, que não é capaz de muitas coisas, isso será exatamente o que você vai conseguir na vida.

Sentimentos de inadequação, dúvidas a respeito de si mesmo e pouca confiança diminuem suas habilidades para viver bem. Isso leva a fracassos que fazem sua autoestima diminuir. Sentir-se bem sobre si mesmo, sentir-se com valor, ajuda a pessoa a ser mais positiva, menos tensa, mais criativa e, assim, mais capaz de dar conta de todos os aspectos de sua vida.

Apesar dos padrões de pensamento que você desenvolveu serem poderosos, eles podem ser mudados se você buscar desenvolver certos hábitos que vão ajudá-lo(a) a desenvolver sua autoestima e a lidar com os problemas e decepções da vida.

Hábitos para uma autoestima saudável

Autoconhecimento –
Quando sabemos quem somos, por dentro e por fora, podemos valorizar nossas forças e reconhecer nossas fraquezas, e assim saber ao certo o que queremos da vida.

Autoaceitação –
É a habilidade de afirmar nossos atributos assim como nossas fraquezas.  Ao fazermos isso, fica fácil de deixar que outros saibam o que realmente pensamos e sentimos. Não ficamos mais preocupados se os outros vão nos aceitar ou rejeitar.

Domar seu crítico interno
– Todos temos uma voz lá dentro que nos fala o dia todo. Essa voz reflete o que realmente sentimos a nosso respeito. Quando a autoestima está em baixa, “ela” (a voz) constantemente nos lembra dos nossos fracassos e ignora nossas vitórias. Essa voz derruba nossa autoestima.

Responsabilidade –
Assumir a responsabilidade por escolhas, atos e direções que tomamos é poderosamente importante porque nos coloca no controle de nós mesmos, ao invés de nos sentirmos controlados pelas emoções e circunstâncias da vida.

Assertividade –
Todos temos o direito de decidir como levar a vida. Isso inclui quais objetivos almejados, os valores pelos quais viver e o direito de dizer aos outros como queremos ser tratados. É poder falar com firmeza, clareza e convicção e não ficar calados quando queremos ou precisamos falar.

Valores –
Os valores são os ideais e princípios que dirigem a vida cotidiana. Eles estão presentes nas crenças pessoais, nos relacionamentos, comportamentos, escolhas, no sentido de quem se é e também na autoestima.

Por mais que essa lista de hábitos a serem desenvolvidos pareça muito difícil ou impossível de ser alcançada – e os hábitos e padrões mentais são poderosos -, há um modo de conseguir ser ajudados e mudados. Eles podem ser mudados por uma força maior do que a nossa: o poder de Deus. Acreditar nesse poder tem mais influência sobre a vida do que qualquer outra informação que podemos ter recebido ao longo da vida sobre nós mesmos.  Esse poder nos ajuda a tirar os olhos de nós mesmos, e a focar, olhar como Deus nos vê.

As pessoas com baixa autoestima cometem o erro de se preocupar muito com seu próprio valor, e em como podem provar a si mesmas e aos outros que são aceitáveis e dignas de valor. Sem perceber, caem na armadilha da autoexaltação que acaba levando a mais humilhação e desapontamentos.

Quando olhamos para Deus, podemos ver quão preciosos e únicos somos para Ele. Ele amorosamente nos criou com um propósito especial, nos deu qualidades e talentos. E isso pode fazer toda a diferença em nossa autoestima!

(Cláudia Bruscagin Schwantes, no site Outra Leitura)

Como diriam os americanos, “what a shame!”*

Solteiras na hora da conquista

Caretas ou pegadoras, mulheres na faixa dos 30 esbanjam autonomia. O que inclui praticar ou recusar ousadias com o sexo oposto…

Melissa Diniz

Solteira, assim como separada, é estado civil. Avulsa, minha amiga, é um estado de espírito. Esta é uma reportagem sobre mulheres avulsas – como as próprias se denominam. Na faixa dos 30 anos, no auge da beleza e do vigor, e “na pista” – ou seja, atrás de um homem, elas se dividem entre “caretas” e “pegadoras”. As tribos têm valores diferentes, mas o comportamento sexual está liberado para todas. Pelo menos é o que aponta a última pesquisa coordenada pela professora Carmita Abdo, do Projeto Sexualidade (ProSex) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo. Durante 2008, foram ouvidos 8 237 brasileiros adultos de ambos os sexos. “Entre as mulheres de até 40 anos, 40% mostraram que fazem distinção entre relação afetiva e relação sexual”, afirma Carmita. Pela primeira vez, um grupo consolidado se diz disposto a fazer sexo com parceiros eventuais”, conclui.

(…)

Glossário

B.O. Homem galinha ou briguento.

Bambolê Aliança, sinal de que o cara é casado.

Criança O pênis. “Você viu a criança?”

Defunto Ex-namorado ou ex-marido.

Delivery O ficante que atende em domicílio.

Fazer caca Transar sem camisinha.

Kit completo Sair, beijar e transar.

Negocinho Fazer ou receber sexo oral.

Pegada Preliminares. Beijos e amassos.

Prestenção Gíria para avisar que um bonitão apareceu no pedaço.

Quebra-galho Caso antigo que não empolga muito, mas, na ausência de algo melhor, serve.

Sem mais detalhes Ficar por uma noite apenas. Só rola beijo.

Tudo de bom.com.br O cara perfeito.

24 h Homem que só dá sinal de vida um dia depois que combinou de aparecer, tem sempre uma desculpa. Em geral, é casado.

Vírgula Quando o pênis é bem pequeno.

Zé Cueca Namorado que liga toda hora e vigia.

Zica Homem feio, sem interesse.

(Revista Cláudia online)

———————————————–

MEU PAI DO CÉU!!! As mulheres de 30 anos viraram adolescentes! Com giriazinha e tudo! Não, nem todas as adolescentes são tão tolas, vulgares e infantis assim! Não sei com quem compará-las, sinceramente! Sinto vergonha de ser uma mulher, e de ser uma mulher de 30 anos! Que horror!!! Tenho pena, é só o que posso dizer. Muita vergonha, e muita pena…

*What a shame = que vergonha, em inglês.

Navegação de Posts

%d blogueiros gostam disto: