Pensamentos

Arquivo para o mês “dezembro, 2009”

Quem lava os pratos? Resolvendo os conflitos de papeis no casamento

Ela estava em meu escritório reclamando que seu marido não a ajuda com os afazeres domésticos. “Nós dois trabalhamos em tempo integral”, disse ela. “Ele age como se eu fosse sua mãe. Ele espera que eu faça tudo em casa enquanto ele assiste televisão e relaxa. Bem, talvez eu precise relaxar.”

Como é que vamos resolver os conflitos relacionados com os nosso papeis? Ajuda a se esclarecermos os nossos objetivos. Se queremos harmonia e intimidade, devemos cada um fazer “a nossa parte” em casa. Um cônjuge que se sente “superior” não parece estar interessado na intimidade. Por que não perguntar ao seu cônjuge, “Você acha que eu poderia estar ajudando mais em casa?” Deixe que a resposta dele(a) guie as suas ações.

Na sociedade urbana de hoje, mais de 50 por cento das mulheres têm empregos em tempo integral fora de casa. Antes de as crianças virem, é relativamente fácil de negociar o que o marido e a esposa concordam em ser uma distribuição justa do trabalho.

No entanto, quando os filhos chegam, há toda uma nova dinâmica. Cada fase da infância traz outras áreas de responsabilidade. Como é que vamos encaixar tudo? Não encaixamos! Crianças chamam um contrato de responsabilidade inteiramente novo. É hora de voltar para a prancheta. Passe algum tempo tentando usar suas habilidades para encontrar tempo para ser bons pais e manter uma união forte.

Eu limpo o tapete e lavo os pratos na minha casa. O que você faz na sua casa? Quem vai fazer o quê? É uma questão que cada casal deve responder.

Isso não significa que uma vez que a responsabilidade é aceita, o cônjuge nunca vai se oferecer para ajudar na tarefa do outro. O amor procura ajudar. As escrituras não nos dizem exatamente quem deve fazer o que; elas nos incentiva a concordar com o que resolvermos. Encorajo vocês a continuar negociando até que ambos se sintam bem sobre quem faz o quê na sua casa.

(Gary Chapman)

……………………………………………………………………………………..

Tio Gary é o cara. Por isso que gosto tanto dos livros dele! E esse texto me lembra de que tudo nessa vida, especialmente na vida a dois (sejam os dois namorados, noivos ou cônjuges), deve se basear na conversa, na comunicação. Sem isso, não se vai pra frente. Não tem relacionamento que dure. O post que ainda estou planejando tem a ver com isso. Mas ainda não tá pronto hehehe 😛

Anúncios

Moda: útil ou fútil?

Já que o assunto anterior foi compras no shopping e já que tem um bom tempo que não escrevo algo (a não ser aquela criticazinha do campeonato brasileiro, mas foi tão pequena que nem conta muito hehe), eu resolvi falar sobre roupas/moda. Ainda não é bem o assunto que quero falar (ainda estou preparando mentalmente rs), mas já é alguma coisa, não?

Bom, eu não sou nenhuma “fashion victim”, mas eu me importo sim com aquilo que visto. A aparência conta. Não acredito nessa de “o que vale é o interior”. Claro que o que você é como pessoa é BEM mais importante que o que você veste. Mas não dá pra aceitar essa frase feita como desculpa pra ser desleixado com o vestuário.

E não é só “gente do mundo da moda” que pensa assim não: existem centenas de livros escritos sobre o assunto, por pessoas que nem são da área. É aconselhado “se vestir bem” inclusive e principalmente pra entrevista de emprego. Não é pra ir no shopping, nem pra “arranjar marido” não. É pra emprego, algo que está longe de entrar na categoria de coisas fúteis.

A Universidade de Yale (EUA) realizou um estudo onde sugere que a aparência pode contar pontos não apenas na hora de conseguir um emprego, mas também na hora da definição do salário. De acordo com esses estudos na área de comportamento humano, a primeira impressão que uma pessoa tem da outra se baseia 55% em sua aparência e ações. (Fonte: Aparência conta pontos na hora de conseguir emprego)

Ainda lembro de quando uma menina que fez faculdade comigo apresentou um seminário de Nefrologia com uma calça jeans apertada e uma blusinha vermelha, de alça, e olha que nem tão decotada assim, colada no corpo. A professora falou educadamente que ela evitasse aquilo dali pra frente, porque do contrário, todos iriam olhar pra roupa dela e não prestariam atenção ao que quer que ela estivesse dizendo.

Eu não estou aqui falando de peso, de plástica, de regimes loucos. De preconceito por se estar acima do peso. Não é nada disso. Estou falando da importância que é se vestir bem, de acordo com sua idade, seu tipo físico,  e com a cor da sua pele, olhos e cabelo. Vestir-se de forma que as pessoas olhem pra você e tenham a impressão de estarem vendo alguém que se cuida, que é “limpinho”, que gosta de ordem. Que as pessoas olhem pra você, que você chame mais atenção do que algo que está em você.

Um bom exemplo disso são homens de gravata. Pastores, advogados, professores, não importa: se eles estiverem com a gravata torta, ou o nó folgado, é bem mais provável que você se concentre nesse “defeitinho” do que no que quer que seja que ele esteja dizendo. A coisa é tão séria que uma escritora americana do século XIX (sim, dois séculos atrás), já escrevia sobre isso, preocupada com a [má] impressão que alguns pastores poderiam causar devido a sua falta de cuidado com as roupas:

O cuidado no vestuário é digno de consideração. O pastor deve trajar-se de maneira condigna com sua posição. Alguns têm falhado a esse respeito. Em alguns casos, não somente tem havido falta de gosto e boa combinação no vestuário, mas este tem sido desalinhado e sujo. O Deus do Céu, cujo braço move o mundo, que nos dá vida e nos sustém com saúde, é honrado ou desonrado pelo vestuário dos que oficiam em honra Sua. Ele deu a Moisés instruções especiais relativas a tudo que dizia respeito ao serviço do tabernáculo, e especificou a vestimenta que deviam usar os que haviam de servir perante Ele.(…)

A influência do pastor negligente em seu vestuário, é desagradável a Deus, e a impressão causada nos que o ouvem é de que ele não considera a obra em que se acha empenhado mais sagrada do que o trabalho comum. E não somente isso, mas, em lugar de lhes mostrar a importância do traje apropriado e de bom gosto, ele lhes dá um exemplo de relaxo e falta de asseio, que alguns não demoram em seguir. (Ellen White, Obreiros Evangélicos, pp. 173 e 174)

Achei interessante quando ela fala que “tem havido falta de gosto e boa combinação no vestuário”. Isso é importante. Mais do que na verdade nos importamos com isso… E também “a impressão causada nos que o ouvem é de que ele não considera a obra em que se acha empenhado mais sagrada do que o trabalho comum”. É como um homem ou mulher que, depois que casa, passa a se vestir de qualquer jeito, dando a impressão de que não se importa mais com o outro. Tipo “já conquistei o cara/a mina, pronto, me visto de qualquer maneira, agora ele(a) já é meu(minha) mesmo”. Quando nos vestimos mal, damos a impressão, seja pro cônjuge/namorado/noivo, chefe, colegas de trabalho, etc. de que não estamos nem aí pra eles.

Porém eu não sou fashionista, como falei no início. Não sou vidrada em moda, não jogo fora uma roupa que comprei há apenas alguns meses, e que me custou um bom preço, apenas porque “não tá mais na moda”. Acho que você pode cuidar do que veste, pode e deve, mas sem exageros. Não vivo comprando roupa, compro apenas quando a roupa não combina mais comigo, ou já está gasta, porque usar roupa velha também mostra desleixo. E também não tenho tanto dinheiro pra sair gastando por aí…

O que faço então?

  1. procuro comprar roupas de qualidade: isso faz com que eu não precise ficar gastando dinheiro com roupa toda hora, e elas não se acabam facilmente.
  2. procuro comprar roupas que nunca saem de moda: existem, sim, roupas que nunca saem de moda, e que deviam fazer parte de todo guarda-roupa (para as mulheres: vestido preto, calça jeans reta, blusa branca, bolsa preta, etc.).
  3. procuro comprar roupas que combinem entre si: assim, posso fazer várias combinações sem que precise ter muita roupa, o que dá uma boa economia; isso vale pros acessórios também, como sapatos, bolsas, relógios, óculos… eu dificilmente compro algo que só dá pra usar de um jeito…
  4. procuro ser eclética: tanto posso usar salto, com saia, roupas floridas, renda e um toque de rosa, como uma boa calça jeans e camiseta, junto com tênis estilo All Star (embora prefira minhas sapatilhas); também não tenho preconceito com cores, como bem disseram Stacey e Clinton, do Esquadrão da Moda, certo dia, nada de ser uma pessoa outono (aquela que só veste roupas cor de árvore: marrom e verde)!
  5. se a roupa está na moda, e for bonita, vestir bem em mim, eu compro: só porque eu não sou vítima da moda não quer dizer que não posso usar algo que está na moda, se esse algo me cai bem, combina comigo e se adequa ao meu corpo e minha faixa etária.

É claro que o que serve pra mim nem sempre servirá pra todo mundo. Meus gostos são meus. E não adianta querer se vestir TOTALMENTE diferente do que você está acostumada — se sentindo até desconfortável com isso — só pra agradar os outros. Mas ajuda aprender a combinar, vestir algo que se adapte ao seu corpo, que esteja ok para sua idade, e que aparente bom gosto e, acima de tudo, bom senso. E não precisa ser fashion victim pra isso.

Dicas de sites:

Como se vestir bem para uma entrevista de emprego

Blog Ana Hickman

What not to wear

E tem muito mais: é só procurar com cuidado no sr. Google 😉

Quer emagrecer? Vá fazer compras de Natal!

Para a maioria de nós não vai ter jeito. Vamos ter que passar horas no shopping atrás dos presentes ideais. Vamos deixar os braços doendo depois de desenrolar as luzes de natal para enfeitar a casa e assim por diante. Que tal então, descobrir quantas calorias você queima durante essas tarefas para se animar e perceber que, além de deixar os as ambientes mais bonitos, vai fazer o mesmo seu corpo?

Caminhar no shopping por uma hora queima, em média, 249 calorias. E esse número pode aumentar dependendo da intensidade com a qual você anda, se vai provar modelitos e o número de sacolas que carrega (Não que nós, mulheres, precisamos de desculpa para ir ao shopping, mas que essa é ótima, isso é).

Se você estiver em uma escada, tentando manter seu corpo estabilizado enquanto pendura as luzes de natal, pode perder 90 calorias em uma hora. Segundo experts, concentrar a força em determinados músculos durante a realização de atividades domésticas, como essa, podem funcionar com um exercício moderado para emagrecer.

(Por Monique dos Anjos)

……………………………………………………………………………

Se isso for verdade, eu perdi muitas calorias duas vezes esse mês! 😀

Como vocês podem ver…

…eu mudei 1001 vezes o template deste bendito blog. Vamos ver se desta vez eu não mexo mais! Também estou sem criatividade e vontade alguma para escrever, mas como não quero deixar o blog parado nem vocês sem nada para ler, estou colocando textos com os quais concordo plenamente, e quero que continuem comentando! Assim que o “bloqueio” tiver passado, eu volto a escrever hehehe

Não deixe sua vida girar em torno de uma coisa só!

A vida é feita de muitas facetas diferentes: trabalho, família, amigos, escola, sonhos, relacionamento amoroso, esportes, saúde, beleza, artes, música, filhos…

É importante não se concentrar excessivamente em um só aspecto da vida, para que se possa ter prazer em outros, mesmo quando um lado não vai bem. A obsessão por alguma coisa nos torna incapazes de usufruir outras e nos faz perder muitas oportunidades de beleza e alegria.

Você investiria todo o seu dinheiro em ações de uma só companhia? É claro que não. Qualquer especialista que você consultasse lhe diria para diversificar seus investimentos. Porque, se aquela empresa falir, todas as suas economias irão junto.

O mesmo se aplica à vida: é importante diversificar as esperanças, os interesses, os gostos, os amigos.

A pessoa que se concentra num único objetivo perde todas as outras oportunidades de alegria e corre um risco enorme de se ver absolutamente arrasada e infeliz se não atingir aquela meta.

Há pessoas que se concentram somente no sucesso da carreira profissional e, quando ele demora a acontecer ou não vem como esperado, se frustram e se deprimem. Esquecem os bons momentos em família e entre amigos, e dos sucessos alcançados em outras áreas. É preciso reorganizar os valores.

Outros abandonam o relacionamento com a família e os amigos em prol do relacionamento amoroso. Se distanciam e vivem só para o novo amor, até que ele desaparece e a pessoa tem que reconstruir a vida novamente.

Há aqueles que se dedicam somente à família, ou somente aos amigos, e esquecem-se de buscar a excelência na carreira e na área intelectual e na saúde.

Construa suas esperanças em torno de várias coisas importantes para você, cultive muitos gostos e amigos: sua vida ficará mais rica e você se tornará uma pessoa menos vulnerável, mais interessante e feliz.

(Rejane Godinho, no blog Outra Leitura)

As cinco linguagens do perdão

Quando foi a última vez que você pediu desculpas? O que você disse ou fez? Será que a pessoa a quem você pediu desculpas pareceu aceitar o seu pedido de desculpas? Será que ela o perdoou? O relacionamento foi curado? Se não, eu tenho uma idéia do motivo por que ela achou difícil perdoá-lo. Ela não ouviu seu pedido de desculpas como sendo sincero.

Quando alguém nos fere e agora está tentando se desculpar, a pergunta em nossas mentes é: será que ele está sendo sincero? Nós julgamos a sinceridade pela forma como eles se desculpam. Se a pessoa simplesmente diz: “Sinto muito”, isso pode parecer um pouco fraco. Podemos querer ouvi-la dizer: “Eu estava errada. Poderá, por favor, perdoar-me?” Há cinco maneiras para se desculpar. Se você usar apenas uma dessas maneiras, você provavelmente vai parecer falso.

O que você considera ser um sincero pedido de desculpas? O que a pessoa precisa fazer ou dizer que vai tornar possível para você perdoá-la? Eu descobri que existem cinco maneiras pelas quais as pessoas normalmente se desculpam. Eu as chamo de cinco linguagens do pedido de desculpas.

1. Expressando pesar. “Eu sinto muito pelo que fiz.”
2. Aceitar a responsabilidade. “Eu estava errado.”
3. Fazer restituição. “O que posso fazer para tornar as coisas melhores?”
4. Arrependimento genuíno. “Eu não quero jamais fazer isso novamente.”
5. Pedir perdão. “Por favor, perdoe-me?”

Qual destas é a mais importante para você? Esta é a sua linguagem do perdão primária. Por que não compartilhar essas informações com seus familiares e amigos para que eles saibam pedir desculpas a você?

Eu estava dando uma palestra sobre as cinco linguagens do perdão. No intervalo, um homem se aproximou de mim e disse: “Pela primeira vez na minha vida eu entendo o valor de se desculpar. A filosofia do meu pai era que “pedir desculpas é você chegar a lugar algum. Faça o melhor que pode e nunca olhe para trás.” Foi bem assim que eu vivi até que a minha mulher cometeu adultério.”

“Então, o que seria necessário para você perdoá-la”, eu perguntei? “Eu quero que ela admita que o que ela fez foi errado e me prometa que nunca vai fazer isso novamente. Se eu soubesse que ela nunca faria isso de novo, eu acho que eu poderia perdoá-la.” O marido estava demonstrando a necessidade de desculpas. Não existem casamentos saudáveis sem desculpas e perdão.

Você tem um relacionamento que está atualmente quebrado ou fraturado? O que seria necessário para curar o relacionamento? Eu gostaria de sugerir duas coisas essenciais: desculpar-se e perdoar. Quando ferimos alguém, é tempo de pedir desculpas. Não deixe seu orgulho impedi-lo de admitir que estava errado.

Quando alguém te magoar, é hora de enfrentar. Jesus disse que se alguém peca contra você, então você deve dizer-lhes, e buscar a reconciliação. Não deixe o medo impedi-lo de enfrentar a pessoa que o feriu. Relacionamentos saudáveis devem ser autênticos. Você não pode sofrer em silêncio e esperar que as coisas funcionem. Pedir desculpas e perdoar são duas coisas essenciais para relacionamentos saudáveis.

Você sabe como pedir desculpas? As chances são de que você fará o que seus pais lhe ensinaram, mas que pode não ser o suficiente. Dra. Jennifer Thomas e eu descobrimos que as pessoas têm idéias diferentes sobre o que significa pedir desculpas. Na verdade, existem cinco linguagens do perdão. Se você não falar a língua direito não terá uma resposta favorável.

Se você não tem certeza de como se desculpar, considere dizer o seguinte: “Eu valorizo o nosso relacionamento. O que eu preciso fazer ou dizer para que você considere me perdoar?” Sua resposta vai revelar a sua “linguagem do perdão primária”. Expresse seu pedido de desculpas nessa língua e, provavelmente, receberá o perdão.

Adaptado de “As Cinco Linguagens do Perdão”, do Dr. Gary Chapman. Para saber mais sobre o Dr. Chapman, visite este site.

Traduzido por mim, com a ajuda inestimável do Google Tradutor 😛

Nunca vi

alguém mudar tanto de template como eu 😦

Torcedores ou marginais?

Flamengo? Coritiba? Inter? Não, não. Infeliz ou felizmente, eu não torço pra qualquer time. Nem de esporte eu gosto. Detesto assistir a jogos de futebol. Mas foi praticamente impossível não saber do que se passou ontem, e, claro, eu vou “meter o meu bedelho”.

Do que adianta bater, chutar, cuspir e até fazer sangrar o torcedor do time adversário? Isso traz o teu título de volta? Isso te impede de ter o seu time querido rebaixado? Não! Não muda nada, exceto que você vai fazer muita gente chegar em casa estropiado, isso quando chegam.

Outra coisa: se o seu time ganhou, se é hexa, hepta, octacampeão que seja, vamos comemorar né? E não brigar no meio da rua, e pasmem: com gente que torce pro mesmíssimo time que você. Não tem uma palavra melhor pra definir isso, então fico com: ridículo.

Por isso que não gosto de futebol. O que acontece ou deixa de acontecer não muda minha vida, não resolve meus problemas e eles também não pagam meu salário. Perda de tempo total. E, em alguns casos, infelizmente, perda de saúde, ou até de vida!

As 20 lições que as garotas aprendem com Crepúsculo

AVISO AOS NAVEGANTES:

Não fui eu quem escreveu o texto, o link estará logo abaixo para vocês irem direto à fonte, caso queiram xingar, malhar, cuspir ou elogiar. Porém, eu gostaria muito de ter escrito tudo isso. Não passa da mais pura verdade. Em vermelho, aqueles pontos com os quais mais concordei. Entre colchetes, meus comentários. Grata por ler.

1. Se um rapaz é desinteressado, reservado, te ignora ou é simplesmente grosso com você, é porque ele está secretamente apaixonado por você – e você é a razão principal da existência dele. [total loucura, e o pior é que muitas meninas e mulheres acreditam SIM nisso…]

2. Segredos são ok. Especialmente os do tipo que ameaçam a sua vida.

3. Está tudo bem para um interesse romântico em potencial ser estúpido, violento e vingativo – desde que tenha um tanquinho. [oh Senhor, quanta futilidade, mas, infelizmente, muito real]

4. Se um rapaz te diz para ficar longe dele, pois é perigoso e pode até te matar, ele deve ser o amor da sua vida e você deve ficar com ele para que ele te mantenha segura para sempre. [burra, burra, burra]

5. Se um rapaz te abandona, especialmente de repente (enquanto diz que nunca mais vai te ver), é porque ele te ama tanto que vai sofrer apenas para manter você segura.

6. Quando um rapaz te abandona, entrar em choque, perder todos os amigos e ter pesadelos recorrentes são ocorrências perfeitamente aceitáveis – desde que você mantenha suas notas boas.

7. É extremamente romântico se colocar em situações perigosas só para ver seu ex-namorado de novo. É ainda mais romântico lembrar do som da voz dele quando ele gritou com você. [kkkkkkkk, tá brincando né? Tem menina que crê nisso?]

8. Rapazes que dão o fora sempre voltam.

9. Como eles voltam, você deve se segurar e esperá-los por meses, mesmo tendo alternativas de rapazes completamente aceitáveis disponíveis. [ah se elas entendessem que é EXATAMENTE O OPOSTO]

10. Mesmo que você não tenha interesse em sair com um dos rapazes alternativos, é ok enrolar o sujeito por meses a fio. Além disso, você deve usá-lo para consertar as coisas para você. Se bobear, ele vai até te comprar algo. [como tem mulher que faz isso e como eu odeio essa atitude! Depois se acham mulheres-objetos. Bem feito!]

11. Você deve usá-lo para consertar coisas porque garotas são incapazes de qualquer coisa mecânica ou técnica.

12. Mentir para os seus pais é ok. Mentir para os seus pais enquanto você foge para salvar seu namorado suicida é uma ideia extremamente boa que mostra sua força e maturidade. Ah, e também é algo que você TEM que fazer.

13. Roubo de carro em nome do amor é aceitável.

14. Se o rapaz por quem você está apaixonada causa (mesmo que indiretamente) que você seja espancada tanto que vá parar no hospital, você deve dizer aos médicos e à sua família que “caiu da escada” por ser uma menina tão boba e desajeitada. Essa explicação falsa sempre funcionou perfeitamente para mulheres abusadas. [pra mulheres asnas também]

15. Homens podem ser mudados para melhor se você sacrificar tudo que você é e se dedicar inteiramente à necessidade de mudança deles. [kkkkkkkk, eu tô é rindo aqui com essa pataquada!]

16. Jovens garotas não devem fazer esforço algum para melhorar suas habilidades sociais ou estado emocional. Em vez disso, devem procurar por potenciais parceiros que compartilham das mesmas deficiências sombrias e problemas emocionais. [essa foi a que eu mais gostei. Não vamos tentar mudar não, melhor é arranjar alguém pra afundar na lama comigo!]

17. Garotas não devem sempre ler uma série de livros só porque todo mundo já leu. [esse é o único bom ensinamento, pena que as meninas que leem o Crepúsculo parecem ser as únicas a não entender isso…]

18. Ao escrever uma série de livros, é aceitável pegar o material principal e estragá-lo com angústia adolescente cansativa. [kkkkkkkk, sério, parem!]

19. Ao fazer ou ao assistir um grande filme, você deve alegremente aceitar os únicos 20 minutos da trama dele entre longas sequências de silêncio, imagens vagas e gemidos.

20. Vampiros – outrora os grandes vilões da literatura e do cinema – não são mais assustadores. Inclusive, eles são tão chorões, egocêntricos e impotentes quanto qualquer ser humano.

(Vida Ordinária)

E eu não vou pedir desculpa aos fãs não. Verdade é pra ser dita.

A religião ecológica

A causa ecológica, sempre preocupada com hábitos do velho homem, assegura que nosso planeta não passa de 2030. Resta somente repetir os versos de uma canção dos anos 80: É o fim da aventura humana na Terra. Uma das razões é o aquecimento gradual do sol, ex-amigo dos seres viventes. Banho de sol, nem pensar, mocinha. Fique só com aquela outra canção sobre um banho de lua para ficar branca como a neve!

Tirem as crianças do sol, deixem as crianças na sala! O sol agora pode causar doenças terríveis como alegria, prazer e vitamina D, coisas opostas a esse mundo que mergulha em depressão e neurose ecológica.

Não vá sair agora para o sol do meio-dia, melhor evitá-lo entre 10 da manhã e 3 da tarde. Claro que tomar sol em excesso pode causar câncer. Mas, diga aí, o que nesse mundo já não causa câncer? Veja também as estatísticas de morte no trânsito e pergunte quantos andam pensando seriamente em largar o volante. É completamente cabível abdicar de refrigerante e de certos programas de TV que também engordam e matam como colesterol ruim. Mas é descabido querer fugir do sol como se fôssemos dráculas.

Uma coisa é cuidar da saúde física e mental, buscar uma alimentação balanceada e diminuir o uso de impressão em papel quando possível. Outra bem diferente é não usar spray de cabelo porque isso contribui para o aumento do buraco nas camadas atmosféricas ou evitar o sol em qualquer hora, quesitos que adotei involuntariamente já que não tenho cabelos e moro sob o céu nublado de Curitiba.

Tem gente que fica à procura de uma paranoia pra viver, como aquela dos maçons-empresários que controlam o mundo como titereiros ou a dos capitalistas que enviam mensagens subliminares irresistíveis para dominar as mentes. Isso tudo é raia miúda perto do surto que conquista cada vez mais adeptos, a psicose da saúde do homem e da Terra.
O cinema também encampou essa ideia: documentários e documentiras anunciam ao mundo que nosso lar está se acabando e é bom aproveitar as belas imagens de savanas povoadas de zebras e leões antes que o tempo se vá. Personalidades, como Al Gore e Leonardo di Caprio, e filmes, como Home Earth, repetem que o oceano está subindo, a temperatura mundial está subindo, a fumaça está sempre subindo. Alguém duvida de que a bilheteria de filmes do tipo também está subindo? Por falta de uma ideologia melhorzinha, essa turma aderiu à causa ECOmênica, uma bandeira interreligiosa e suprapartidária. Bandeira não, um guarda-chuva ou guarda-sol que agrega gregos e baianos, antigos comunistas devoradores de criancinhas e novos capitalistas devoradores de almas, padres, pastores e presidentes, BBBs e budistas. Não duvide se Osama rimar com Obama para ser a solução da boa vontade entre os homens filhos de Gaia. Todos culpando a feia fumaça que apaga as estrelas e os flatos bovinos, equinos e muares.

Quando vejo uma multidão tão diversificada agindo de forma tão unânime por uma causa tão mundial, desconfio. Gente muito unânime só aprova credos e partidos que juntam seus trapinhos de diferença ideológica por uma causa salvacionista. Se você pensou em religião ecológica, acertou. De manifestantes que se atiram feito mártires na frente de tratores e navios a notícias sobre um apocalipse ambiental, a religião ECOmênica ganha predominância no altar das causas planetárias. O ECOmenismo ganha adeptos de todas as cores ideológicas e religiosas, pois converter-se a essa causa equivale à luta apaixonante pela sobrevivência da humanidade.

Afinal, quem em sã consciência pode renunciar à defesa da vida? Nada contra defender a vida e cuidar da natureza. É necessário sempre esclarecer sobre o ciclo da vida natural da qual fazemos parte. Reciclar, reutilizar, preservar são itens importantes que devem estar na nossa agenda. Não questiono também as evidências do aquecimento global, só desconfio da “verdade científica” que cerca o debate que um dia foi ambiental e hoje é item da agenda do poder político. O problema é que a questão climática ganhou um selo de autoridade “científico” inquestionável. A mídia pouco dada a investigações chancela a questão ecológica. Surgem ainda informações manipuladas a fim de criar uma consciência global, que resultam na criação dos dias mundiais sem isso ou sem aquilo (sem carro, sem TV, sem luz elétrica por uma hora). Curioso como esses tais dias mundiais exercem um fascínio nos países mais desenvolvidos. Principalmente na Europa, que fecha a cara para os imigrantes mas acena alegre para ursos e pinguins.

Joêzer Mendonça

Navegação de Posts

%d blogueiros gostam disto: